Comissão afegã ordena recontagem de 10% das seções eleitorais

Mesmo com alegações de fraude, últimos resultados apontam vitória do presidente Hamid Karzai em 1º turno

Efe e Associated Press,

15 de setembro de 2009 | 08h55

A Comissão de Queixas Eleitorais (ECC) do Afeganistão determinou que o órgão responsável pela apuração reconte os votos em cerca de 10% dos colégios, informou nesta terça-feira, 15, uma fonte oficial. Os trabalhos devem começar ainda nesta terça-feira.

 

Veja também:

linkConfira a cobertura completa das eleições no Afeganistão

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

video Vídeo: Correspondente do 'Estado' fala do conflito no país

lista Perfil: Hamid Karzai é favorito à reeleição no Afeganistão

lista Perfis: Ex-ministros são os principais rivais de Karzai

 

Uma enxurrada de denúncias de fraudes semeou a incerteza sobre o resultado das eleições presidenciais afegãs, realizadas em 20 de agosto, apesar do candidato a reeleição o atual presidente, Hamid Karzai, ter vantagem sobre os rivais.

 

Em números absolutos, devem ser recontados os votos de 2,5 mil pontos de votação de um total de 26 mil locais, segundo detalhou Zekria Barezkai, porta-voz da Comissão Eleitoral (IEC). Na semana passada, a comissão ordenou a recontagem de urnas em que houve 100% de comparecimento ou onde um candidato recebeu mais de 95% dos votos válidos.

 

As principais acusações referem-se ao sul afegão, onde Karzai tem forte apoio dos pashtuns, mesma etnia do presidente. Kippen disse, porém, que houve pedidos de recontagem em todas as províncias. Os dados mais recentes divulgados pela IEC, com um total de 92,8% dos colégios contabilizados, dão a Karzai 54,27% dos votos, porcentual suficiente para mantê-lo no governo sem a necessidade de um segundo turno.

 

Inicialmente, a comissão eleitoral esperava declarar o vencedor nesta semana, mas as denúncias devem atrasar o cronograma em algumas semanas. Nesse cenário de incertezas políticas, o Taleban realiza vários ataques.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.