Comissão americana chega à conclusão sobre o Iraque

A comissão independente conhecida como Grupo de Estudo sobre o Iraque chegou a um acordo sobre quais serão suas recomendações sobre o caminho a ser seguido em solo iraquiano, resoluções que serão apresentadas na próxima quarta. Esta informação foi dada por um dos co-presidentes do grupo, o ex-congressista democrata Lee Hamilton, que foi um dos membros da comissão que investigou os atentados de 11 de Setembro de 2001. Em um discurso no Centro para o Progresso Americano, Hamilton afirmou que, após uma reunião a portas fechadas nesta semana, se alcançou "um consenso". Entretanto, o ex-congressista não quis antecipar o conteúdo das recomendações e se limitou a ressaltar que o relatório será apresentado na quarta em entrevista coletiva. "É tudo o que posso dizer", afirmou. O relatório definitivo da comissão, liderada pelo ex-secretário de Estado James Baker, chega em um momento no qual a Casa Branca, após a derrota do Partido Republicano nas eleições legislativas de 7 de novembro, apresenta qual deve ser a estratégia para o Iraque. O próprio presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ordenou que seu governo realizasse uma revisão exaustiva da estratégia atual, em um esforço no qual participam o Pentágono e o Departamento de Estado. A descontentamento popular sobre o desenvolvimento do conflito foi um dos principais fatores na derrota do Partido Republicano nas eleições legislativas de 7 de novembro nos EUA. A imprensa americana diz que uma das recomendações do Grupo poderia ser a abertura de um diálogo com a Síria e o Irã sobre o futuro do Iraque, algo que a Casa Branca rejeita até agora de forma sistemática. Outra das possibilidades que a comissão analisou é a retirada gradual das tropas americanas do Iraque. Atualmente, há no solo iraquiano cerca de 140.000 soldados americanos, enquanto mais de 2.800 morreram desde o início do conflito, há três anos e meio. Até o momento, o presidente Bush se negou a fixar um calendário de saída para estes soldados e disse que permanecerão nessa nação até que o Iraque seja um país estável. "Não vou tirar as tropas do campo de batalha antes que a missão tenha sido completada", afirmou Bush na última terça em discurso em Rig.

Agencia Estado,

30 Novembro 2006 | 00h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.