Comissão americana visita reator nuclear da Coréia do Norte

Uma missão não-oficial americana teve permissão neste sábado para visitar as instalações nucleares de Yongbyon, na Coréia do Norte, numa tentativa de "garantir a transparência em meio a especulações sobre as atividades nucleares" norte-coreanas, segundo um porta-voz do governo de Pyongyang. Membros da delegação, que incluía John Lewis, professor emérito de relações internacionais da Universidade de Stanford, puderam percorrer as instalações daquele reator, mas não fizeram comentários. Suas conclusões deverão antes ser relatadas ao governo dos Estados Unidos. A visita faz parte dos esforços para se retomar as negociações multilaterais sobre o programa de armas nucleares norte-coreano, atualmente estancadas. Além de Lewis, fazem parte também da delegação: Sig Hecker, ex-diretor do laboratório de armas nucleares do governo americano; Jack Pritchard, que foi integrante do Conselho Federal de Segurança Nacional; e dois membros da Comissão de Relações Exteriores do Senado. A visita ocorreu enquanto Estados Unidos, China, Rússia, Japão e as duas Coréias tentam marcar uma nova rodada de conversações para pôr fim à disputa sobre o programa de armas nucleares de Pyongyang.Vários funcionários americanos acreditam que a Coréia do Norte já possua uma ou duas bombas nucleares, e que possa fabricar mais em questão de meses. Pyongyang nunca confirmou ou negou que tenha armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.