Comissão chega à Ucrânia para remover corpos do voo MH17

Peritos internacionais devem inspecionar o trem no qual estão sendo colocados os cadáveres; 272 corpos foram localizados 

Andrei Netto, enviado especial / Donetsk, O Estado de S. Paulo

21 Julho 2014 | 09h49

DONETSK - Uma comissão internacional de peritos em identificação de corpos, liderada por representantes do governo da Holanda, chegou nesta segunda-feira, 21, às cidades de Torez e Carcóvia, no leste da Ucrânia, para inspecionar o trem no qual estão sendo depositados os corpos das vítimas do voo MH 17.

Os cadáveres estão armazenados em vagões resfriados a 15 quilômetros do local da queda do Boeing 777 da companhia Malaysia Airlines, que realizava o voo Amsterdã-Kuala Lumpur na quinta-feira 17.

Segundo o último balanço publicado pela imprensa ucraniana, 272 corpos dentre as 298 vítimas da queda do avião foram localizados pelas equipes de resgate e voluntários que trabalham nos locais em que há destroços, dois próximo ao vilarejo de Gabrovo. Do total localizado, cerca de 250 está nas câmaras frias do trem e os demais em câmaras mortuárias na cidade de Donetsk.

Os corpos devem ser levados a qualquer momento para Carcóvia, se o acordo preliminar firmado na noite de domingo entre o governo de Kiev e os separatistas for respeitado. Ninguém sabe a que horas esse transporte deve acontecer porque os milicianos do movimento República Popular de Donetsk se recusam a entregar os cadáveres às autoridades ucranianas e exigem a presença de uma comissão internacional, além dos agentes da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), que já estão na região.

De acordo com o primeiro-ministro da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, Kiev aceitará um eventual pedido do governo da Holanda para assumir as investigações sobre a queda do Boeing e a identificação dos mortos, que nesse caso seriam levados para Amsterdã nos próximos dias, em data ainda indefinida. Mas o acordo entre Kiev e os separatistas que garante o trabalho dos especialistas internacionais é frágil e pode ser quebrado nas próximas horas.

Nesta manhã, o Exército e milícias pró-Rússia retomaram combates na região de Donetsk. Partes do centro da cidade, como a região da estação central de trens, foram isoladas por homens armados e esvaziadas por parte da população.

Até as 15h30 (9h30 no horário de Brasília), havia informações extraoficiais de pelo menos cinco vítimas causadas por bombardeios. O Estado esteve em três locais em que projetis explodiram ao longo da manhã. Em um deles, marcas de sangue no chão não deixam dúvidas de que há feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.