Comissão de Direitos Humanos da ONU inicia encontro

A Comissão de Direitos Humanos da ONU abre nesta segunda-feira sua 62ª reunião anual com uma questão crucial para a sobrevivência do órgão. Os negociadores das 53 nações que compõe a entidade terão uma semana para destravar as discussões com os Estados Unidos sobre a criação de um organismo que substitua a comissão. A proposta defendida pelo secretário geral das Nações Unidas, Kofi Annan, é que a comissão seja substituída por um Conselho de Direitos Humanos. A comissão, que tem seus membros escolhidos por grupos regionais, vem sendo amplamente criticada já que muitos de seus integrantes, acusados de violações contra os direitos humanos, fazem acordos entre si para evitar punições. Os Estados Unidos, que defendem a criação do conselho, querem reabrir as negociações para que os membros da nova entidade sejam eleitos por dois terços da comissão, e não a maioria simples. A medida, alegam os EUA, evitará que violadores dos direitos humanos sejam eleitos. Após a deliberação sobre o futuro da entidade, a comissão discutirá, nas próximas seis semanas, problemas como o abuso dos direitos humanos em vários países, incluindo Sudão, Cuba e Coréia do Norte, e um relatório que aponta maus-tratos contr os detentos na base naval dos EUA na baía de Guantánamo, Cuba. Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Colleen Graffy, disse que há uma "discussão ininterrupta" a respeito do fechamento da prisão de Guantánamo. O governo americano cogita o repatriamento dos 490 presos detidos no local sob suspeita de terrorismo.

Agencia Estado,

13 Março 2006 | 20h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.