Comissão do 11/9 conclui: "não estamos seguros"

Os líderes dos Estados Unidos foram incapazes de entender a gravidade da ameaça terrorista antes de 11 de setembro de 2001 e tomaram medidas tão inócuas que sequer atrasaram os planos da Al-Qaeda, diz o relatório da comissão que investigou os atentados contra o World Trade Center e o Pentágono. O texto avisa que ?ainda não estamos seguros? e pede uma profunda reforma os serviços de informação e espionagem. O relatório não culpa o ex-presidente Bill Clinton ou o atual, George W. Bush, por ter falhado em evitar os ataques, mas o presidente da comissão, o republicano Thomas Kean, disse em entrevista coletiva que ?acreditamos que ambos poderiam ter feito mais nessa área?.O presidente Bush considerou o relatório, que derruba uma de suas justificativas para ir à guerra contra o Iraque - a comissão não encontrou laços entre Saddam Hussein e a Al-Qaeda - ?muito construtivo?. O governo, porém, reagiu com frieza à proposta de estabelecer-se uma administração de espionagem e informação em nível ministerial.O presidente se opôs à criação da comissão, resistiu a enviar aos investigadores alguns dos documentos requisitados e tentou impedir que a conselheira de Segurança Nacional, Condoleezza Rice, prestasse depoimento em público e sob juramento. O adversário de Bush na eleição de novembro, John Kerry, disse que disputas internas no governo Bush atrasaram o trabalho da comissão e o aperfeiçoamento da segurança nacional.

Agencia Estado,

22 de julho de 2004 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.