Comissão do Paraguai busca apoio do Brasil para Franco

Em busca de apoio do Brasil para o governo de Federico Franco na Presidência do Paraguai, uma comissão do Congresso e de empresários paraguaios esteve nesta terça em Brasília para conversar com parlamentares brasileiros e explicar o processo de impeachment ocorrido naquele país. O grupo acusou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de ter tentado levantar as forças armadas do Paraguai contra os congressistas, para impedir o processo de impeachment do ex-presidente Fernando Lugo, na semana passada.

JOÃO DOMINGOS, Agência Estado

26 de junho de 2012 | 19h29

Os senadores Miguel Saguira (Partido Liberal Radical) e Miguel Carrizosa (Movimento Pátria Querida) e o deputado Davi Ocampo (União Nacional de Cidadãos Éticos) afirmaram que ainda na quinta-feira passada o chanceler da Venezuela, Nicolas Maduro, visitou os quartéis das forças armadas paraguaias e propôs que elas cercassem o Congresso, para evitar o processo de impeachment de Lugo. "As forças armadas nos contaram que Maduro visitou os quartéis e pregou a sublevação", disse Carrizosa. O impeachment foi concluído na sexta-feira à tarde.

"Ao contrário do que ocorreu no Brasil, durante o processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor (1992), no Paraguai, o presidente não é afastado de suas funções quando a ação tem início. Lugo continuou chefe das forças armadas depois da autorização para que o Senado o processasse. Ele poderia ter atropelado o Congresso para impedir a decisão dos senadores", continuou Carrizosa, que é o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado paraguaio.

Já o presidente da Comissão Constitucional do Senado, Miguel Saguier, disse que o processo de impeachment foi legal. Para ele, a celeridade ocorreu porque havia o risco de que, ainda à frente do governo, e pressionado por Chávez e pela presidente da Argentina, Cristina Kirchner, Lugo utilizasse as forças armadas para impedir a reunião dos senadores que decidiria o impeachment. "Corríamos o risco de ter dois presidentes: Lugo e Chávez".

Os três parlamentares paraguaios rejeitaram qualquer comparação do processo de afastamento de Fernando Lugo com o golpe que depôs Manuel Zelaya (junho de 2009), em Honduras. "Lá, sequestraram o presidente, que estava de pijamas, e o mandaram para outro país. Quem assumiu o governo foi o presidente da Câmara. No Paraguai, o vice-presidente assumiu o governo depois da saída de Lugo. Ele também foi eleito. Se tem alguma semelhança, é com o processo brasileiro", disse o senador Carrizosa.

Acompanhados de representantes da embaixada do Paraguai no Brasil, os congressistas paraguaios almoçaram com uma comissão da Frente Parlamentar da Agricultura, que representa cerca de 230 parlamentares brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.