Comissão do Parlamento aprova lei que refaz sistema eleitoral em linhas sectárias

Uma comissão do Parlamento libanês aprovou ontem a chamada "Lei Ortodoxa", uma proposta que reestrutura o sistema eleitoral. O texto segue para o plenário. Se aprovado, acabará com os distritos eleitorais e fará com que cada religião eleja seus próprios representantes segundo um sistema proporcional. A lei é apoiada pelo partido secular xiita Amal, pelo Hezbollah e pela maioria das legendas cristãs, mas é rejeitada pelo grupo sunita Movimento Futuro, liderado por Saad Hariri, pelos socialistas, pelo líder druso Walid Jumblatt, pelo premiê Najib Miqati e pelo presidente Michel Suleiman (foto). A polarização traz de volta a mesma divisão do período da guerra civil e agrava as tensões sectárias no Líbano.

O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2013 | 02h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.