Comissão eleitoral aprova candidatura de Musharraf

Manifestantes e policiais se confrontavam do lado de fora dos escritórios da comissão

BBC Brasil

29 de setembro de 2007 | 09h35

A comissão eleitoral do Paquistão aprovou, neste sábado, 29, a candidatura do presidente Pervez Musharraf à reeleição, apesar de protestos e de tentativas da oposição de impedir que ele participe do pleito de 6 de outubro. O anúncio da decisão foi feito enquanto manifestantes e policiais se confrontavam do lado de fora dos escritórios da comissão eleitoral. As forças de segurança usaram gás lacrimogêneo e cassetetes para dispersar a multidão e várias pessoas ficaram feridas.  Os ativistas e advogados que organizaram os protestos na capital Islamabad e em diversas outras cidades dizem que o general Musharraf não poderia concorrer à reeleição pelo fato de acumular as funções de presidente e chefe das Forças Armadas. Mas, nesta sexta-feira, a Suprema Corte do Paquistão rejeitou uma série de petições da oposição e decidiu que o presidente Musharraf poderia se candidatar ao pleito e continuar à frente do Exército do país. A principal aliança de oposição declarou que vai boicotar as eleições e continuar a questionar a candidatura de Musharraf na Justiça, mas analistas acreditam que as estratégias não vão surtir efeito.  Renúncia   A correspondente da BBC em Islamabad Barbara Plett diz que os confrontos entre manifestantes e polícia indicam que o Paquistão deve enfrentar um período turbulento antes das eleições.  No início da semana, o governo americano pediu ao general Musharraf que garanta que o pleito seja livre e justo. Musharraf é um aliado chave da chamada guerra americana contra o terror, mas analistas afirmam que Washington está preocupada com a queda de sua popularidade e os crescentes problemas com a militância no Paquistão.  Os advogados de Musharraf disseram que, se for eleito para um novo mandato, o presidente vai renunciar à chefia do Exército em novembro.

Tudo o que sabemos sobre:
MUSHARRAFPAQUISTÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.