Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

Campanha oficial a favor do Brexit é multada por violar lei eleitoral britânica

Comissão Eleitoral encontrou ‘provas substanciais’ de que grupos trabalhavam com um plano comum e não respeitavam o limite de gastos autorizados

O Estado de S.Paulo

17 Julho 2018 | 05h15
Atualizado 17 Julho 2018 | 08h03

LONDRES - A campanha oficial a favor do Brexit no referendo de 2016 - "Vote Leave" - foi multada em 61 mil libras por ter violado a lei eleitoral, informou a Comissão Eleitoral britânica nesta terça-feira, 17. O órgão decidiu encaminhar o caso para a Polícia.

+ Austeridade resulta em vida mais dura na Grã-Bretanha

+ Trump aconselhou Reino Unido a processar União Europeia, diz Theresa May

A Comissão Eleitoral "fez uma investigação profunda sobre os gastos e a campanha do ‘Vote Leave' e 'BeLeave’" no referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia (UE), indicou o organismo.

+ Trump nega áudio em que critica May e promete acordos

+ May diz que buscará 'acordo ambicioso' com EUA após Brexit; Trump nega críticas à premiê

De acordo com o comunicado, a Comissão "encontrou provas substanciais de que os dois grupos trabalhavam com um plano comum, não declaravam seu trabalho conjunto e não respeitavam os limites de gastos legais" das campanhas eleitorais.

A medida da comissão se somou a pedidos de oponentes do Brexit para que o referendo seja realizado novamente, embora a primeira-ministra britânica, Theresa May, tenha descartado repetidamente a possibilidade de outra votação.

A comissão disse que o grupo 'Vote Leave', liderado por importantes figuras, como o ex-ministro das Relações Exteriores Boris Johnson e o ministro do Meio Ambiente, Michael Gove, usou um grupo aliado para pagar a companhia Aggregate IQ, que utilizou dados de redes sociais para atingir eleitores, excedendo o limite de gastos. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.