Comissão Eleitoral recua e maoístas cancelam protestos no Nepal

Os maoístas pedem um sistema eleitoral proporcional, em lugar do misto proposto pela atual Constituição

EFE,

30 de setembro de 2007 | 05h58

Os maoístas retiraram neste domingo, 30, a convocação de protestos após a decisão da Comissão Eleitoral do Nepal de adiar até 5 de outubro a data para o registro das candidaturas eleitorais, informou à Efe uma fonte oficial. "Mudamos a data de envio das listas após receber um pedido hoje do Governo", disse à agência Efe o porta-voz da Comissão, Laxman Bhattarai. Com a decisão, os principais partidos pretendem ganhar tempo para a negociar mudanças no sistema eleitoral, como pedem os maoístas, que tinham convocado para este domingo, 30, um dia de protestos. De acordo com o programa anterior, os partidos políticos deviam enviar uma lista fechada de candidatos para os cargos escolhidos em representação proporcional. O novo prazo para o registro das listas proporcionais é 5 de outubro, enquanto os candidatos à eleição direta terão até o dia 8 para se registrar, segundo Bhattarai. A mudança na data tem como objetivo dar tempo aos partidos políticos para chegar a um acordo sobre o procedimento eleitoral. Os líderes dos sete partidos do Governo mantiveram conversas até sábado à noite e, embora não tenham obtido um resultado satisfatório, pelo menos concordaram em escrever à Comissão Eleitoral para mudar o programa previsto. Os maoístas pedem um sistema eleitoral exclusivamente proporcional, em lugar do misto proposto pela atual Constituição interina. Eles alegam que a proporcionalidade assegura uma representação de todos os grupos étnicos, lingüísticos e geográficos do país. Os nepaleses devem eleger uma Assembléia Constituinte em novembro para promulgar uma nova Constituição e decidir a forma de Governo do Nepal, uma das monarquias mais antigas do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
ELEIÇÕESconstituiçãomaoístas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.