Comissão Europeia afirma que sanções contra a Líbia serão mantidas

Medidas poderão ser retiradas após nova avaliação de situação no país

Efe

22 de agosto de 2011 | 10h36

BRUXELAS - A Comissão Europeia afirmou nesta segunda-feira que por enquanto as sanções contra a Líbia continuarão em vigor, embora possam ser suspensas quando a União Europeia (UE), os especialistas e o "novo regime" do país julgarem oportuno.

 

Veja também:

Paradeiro de Kadafi permanece incerto

PERFIL: Excêntrico e nacionalista, Kadafi chegou ao poder em 1969

VÍDEO: Líbios vão às ruas para celebrar notícia da queda de Trípoli

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

VISÃO GLOBAL: A insustentável situação de Kadafi

 

"Por enquanto as sanções serão mantidas, mas assim que julgarmos que é adequado retirá-las para ajudar a população líbia, poderemos mudar essa decisão", disse o porta-voz para Relações Exteriores da UE, Michael Mann, em entrevista coletiva.

 

O porta-voz também afirmou que "primeiro é preciso enviar uma equipe para avaliar as necessidades no terreno e falar com as autoridades" para depois determinar medidas de apoio.

 

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, está em contato com seus colegas da UE e da ONU e, segundo seu porta-voz, a UE tem "planos para o período pós-Kadafi" e espera poder acelerar os trabalhos.

 

"O que poderíamos oferecer é ajuda humanitária, apoiar a democratização, ajudar a convocar eleições, a constituir instituições, fomentar a sociedade civil e criar fundos para a recuperação econômica", disse Mann.

 

Ele acrescentou que o processo será liderado pelos próprios líbios.

 

 

 

 

Em relação ao momento em que a UE enviará uma equipe à Líbia, o porta-voz de Ashton revelou que a data "depende da evolução da situação" e que não está claro ainda quem lideraria a missão.

 

A UE abriu um escritório em Benghazi, mas pretende inaugurar em breve, e assim que as condições no terreno permitirem, uma delegação em Trípoli.

 

Especialistas em segurança terão que avaliar a situação na Líbia, já que, segundo Mann, "há um problema de segurança" no país.

 

Ele ressaltou que o trabalho nesta direção está em andamento e que espera poder acelerá-lo a partir de agora para promover o controle do uso e das licenças de armas, entre outras medidas.

 

Mann também manifestou sua esperança de que a Líbia entregue e extradite ao Tribunal Penal Internacional (TPI) Kadafi, seu filho Saif al Islam, e o cunhado do coronel, o chefe da inteligência do regime, Abdullah al Senussi, acusados de crimes contra a humanidade.

 

"Esperamos que sejam entregues ao TPI para que possam ser julgados de maneira correta", disse o porta-voz.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.