Comissão Européia pede ao Irã que cumpra tratado nuclear

A Comissão Européia (CE), órgão executivo da União Européia, pediu nesta terça-feira, 10, ao Irã que cumpra suas "obrigações" com relação ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) e aplique a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que exige que suspenda seu programa de enriquecimento de urânio.A porta-voz de Relações Exteriores da CE, Christiane Hohmann, fez esta chamada ao regime de Teerã, que assegura que conseguiu produzir combustível nuclear em nível industrial e que planeja a instalação de 50 mil centrífugas na usina de enriquecimento de urânio de Natanz.Ao fazer esse anúncio, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, defendeu ontem que seu país - membro da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) há 35 anos - cumpre a normativa do TNP e que "tem direito de produzir combustível nuclear, aproveitar todas suas vantagens".A porta-voz da CE, no entanto, insistiu hoje em entrevista coletiva em que o "Irã deve cumprir suas obrigações com o TNP e deve implementar as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas".O principal órgão da ONU exigiu em uma resolução adotada há duas semanas que o Irã suspenda seu programa de enriquecimento de urânio, algo que Teerã rejeita, o que lhe valeu sanções diplomáticas.Mau sinalO ministro de Relações Exteriores francês, Philippe Douste-Blazy, afirmou também nesta terça-feira que o anúncio feito pelas autoridades iranianas sobre um aumento de sua capacidade para o enriquecimento de urânio é "um mau sinal" e pediu o retorno do Irã à mesa de diálogo.Por meio de um comunicado, Douste-Blazy comentou assim as palavras do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que nesta segunda-feira assegurou que seu Estado "entrou no grupo de países que produzem combustível nuclear em nível industrial".Douste-Blazy fez um chamado ao Irã para que respeite as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, que em duas ocasiões pediu a suspensão do programa de enriquecimento de urânio, perante a suspeita de que pode ter um uso militar e não exclusivamente civil, como afirma Teerã."Peço ao Irã que aproveite a ocasião para abrir o diálogo que lhe foi oferecido" pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha, acrescentou o ministro.O porta-voz do chanceler, Jean-Baptiste Mattéi, fez os mesmo comentários à imprensa, mas apontou que não consta à França que o Irã tenha a capacidade tecnológica que diz possuir."Ninguém sabe realmente qual é o estado industrial e tecnológico" do programa iraniano, disse Mattéi, que acrescentou que, no entanto, "a retórica das autoridades de Teerã é deplorável, além do que está por trás".Mattéi descartou a solução militar e defendeu a opção diplomática para superar a crise, sem que, por enquanto, alguém "ponha essa idéia em questão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.