Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Comissão europeia propõe quarentena de até 14 dias para quem chega do Brasil

Proposição feita nesta segunda-feira, 25, aplica-se viajantes que partem de países que detectaram novas variantes do vírus, como África do Sul e Reino Unido

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2021 | 12h25

A Comissão Europeia propôs, nesta segunda-feira, 25, que medidas restritivas adicionais sejam adotadas pelos países membros da União Europeia para conter a propagação do novo coronavírus. Entre as medidas, a comissão propõe uma quarentena de 14 dias para países nos quais foram detectadas novas variantes do vírus, incluindo o Brasil.

"Para viagens com origem em países onde foi detectada alguma variante do vírus, os Estados-Membro devem impor sistematicamente medidas de segurança, tais como auto-isolamento, quarentena e localização de contactos por um período de até 14 dias. Em particular, os viajantes devem ser solicitados a colocar em quarentena e fazer testes adicionais na chegada ou após a chegada.", diz a nota publicada pela comissão.

A justificativa para a medida, ainda segundo a nota, é  que "as novas variantes do coronavírus e a situação volátil da saúde em todo o mundo exigem mais ações para garantir que qualquer viagem para a UE ocorra com segurança"

A proposta, que ainda será votada por representantes dos países-membro da UE, se aprovada, valerá para viagens essenciais e cidadãos europeus ou residentes que retornam a seus países.

Além da quarentena de 14 dias, a Comissão quer que todos os Estados-membro exijam a apresentação de exame PCR com resultado negativo antes do embarque, feito com, no mácimo, 72 horas antes da viagem. Apenas cidadãos europeus, residentes e familiares terão a possibilidade de fazer o exame após a chegada a seus países.

Também seriam afetados países como a África do Sul e o Reino Unido, que também tiveram variantes do novo coronavírus detectadas em seus territórios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.