Comissão investiga denúncia de violência durante o G-20

A Comissão Independente de Queixas contra a Polícia está investigando a terceira denúncia de que policiais britânicos teriam exercido força excessiva para conter os protestos realizados durante o encontro do G-20, realizado em Londres, no início de abril.

AE-AP, Agencia Estado

18 de abril de 2009 | 20h25

Neste último caso, um homem de 23 anos alega que foi agredido por um oficial no distrito financeiro de Londres, em 1º de abril. A comissão já está investigando a morte do vendedor de jornais Ian Tomlinson, que foi derrubado pela polícia durante protesto. O resultado inicial da autópsia indica que teria sofrido um ataque cardíaco, mas uma segunda avaliação mostrou que ele sofreu uma hemorragia interna.

Em outro caso, Nicola Fisher foi agredida pela polícia quando participava de um protesto no dia 2 de abril. Imagens de Vido mostram a mulher sendo agredida, primeiro na face e depois com um cassetete.

Os organizadores do protesto, realizado no dia 1º, colocaram mais imagens no site YouTube que mostram mais confrontos entre a polícia e os manifestantes. O vídeo, que mostra oficiais agredindo os participantes, foi filmado durante os protestos contra as mudanças climáticas, no qual eles colocaram barracas no meio de uma das ruas mais movimentadas de Londres.

A polícia britânica não confirmou se a nova investigação está ligada às imagens que foram colocadas na internet. A comissão informou que já recebeu 185 reclamações contra as táticas adotadas pela polícia durante as demonstrações, incluindo 90 denúncias de que os oficiais usaram "força desnecessária".

Tudo o que sabemos sobre:
GRÃ BRETANHAINVESTIGAPROTESTO G-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.