Comissão parlamentar canadense defende legalização da maconha

Um comitê parlamentar canadense defendeu hoje a legalização da maconha em todo o país, aumentando a pressão sobre o governo para que se distancie da política de tolerância zero dos vizinhos Estados Unidos.Um documento escrito pelo Comitê sobre Drogas Ilegais do Senado recomendou que os registros para posse de maconha sejam apagados, com a adoção por parte do país de um sistema queregule a maconha da mesma forma como o álcool é regulado.O comitê também conclamou por uma ação imediata no sentido depermitir que pacientes médicos registrados legalmente tenhamacesso à erva para seu tratamento.O governo aprovou no ano passado a posse, o cultivo e o consumo da droga para pacientes, mas ainda não criou uma rede de distribuição."Não há razão para submeter os consumidores de maconha àaplicação da lei criminal", disse o senador Pierre Nolin, doPartido Conservador Progressista. "Em uma sociedade livre comoa nossa, cabe aos indivíduos decidirem se querem ou não consumirmaconha".O documento foi finalizado depois de vários meses de discussões, envolvendo especialistas canadenses e internacionais agências de polícia e de drogas e cidadãos comuns.Segundo as leis em vigor, a posse de maconha é ilegal noCanadá, embora a polícia geralmente ignore o uso individual.O cultivo da cannabis no Canadá se transformou em uma dasprincipais fontes para alguns mercados norte-americanos e váriosgrupos de combate às drogas ao sul da fronteira reclamam que aflexibilização das leis canadenses poderia aumentar o acesso àssubstâncias ilegais nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.