REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

Comissão parlamentar do Egito aprova polêmica cessão de ilhas à Arábia Saudita

O governo do Egito alega, no entanto, que não se trata de uma cessão do território, mas de uma devolução, já quesegundo a versão oficial, as ilhas sempre pertenceram à Arábia Saudita

O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 15h42

CAIRO - A Comissão de Assuntos Constitucionais e Legislativos do Parlamento do Egito aprovou nesta terça-feira, 13, o polêmico acordo no qual o país cedeu duas ilhas estratégicas no Mar Vermelho, Tiran e Sanafir, à Arábia Saudita, vetado pelo tribunal Supremo Administrativo e rejeitado por ativistas e partidos opositores.

A agência oficial de notícia egípcia, Mena, detalhou que 35 dos 43 deputados da comissão aprovaram remeter o texto à sessão geral do Parlamento que, por sua vez, o enviou à Comissão de Defesa e Segurança Nacional.

A previsão é que essa comissão se pronuncie sobre o pacto entre hoje e amanhã para remetê-lo de novo ao Parlamento, que deverá se pronunciar sobre ele em sessão geral.

O acordo, assinado em abril de 2016 entre Egito e Arábia Saudita, começou a ser debatido no último domingo pela Comissão de Assuntos Legislativos do Parlamento, em meio a discussões entre parlamentares contra e a favor ao acordo.

Em uma decisão contra a qual não cabe recurso, o Tribunal Supremo Administrativo anulou o acordo em janeiro ao considerar que as ilhas sempre foram egípcias.

O governo do Egito alega, no entanto, que não se trata de uma cessão do território, mas de uma devolução, já que segundo a versão oficial, as ilhas sempre pertenceram à Arábia Saudita, que cedeu temporariamente sua administração ao Egito.

Segundo esta versão, o Egito administrou as ilhas desde os anos 1930 porque o fundador da Arábia Saudita, Abdelaziz al-Saud, pediu então ao Cairo que as protegesse por seu país não contar com força naval.

Após o pacto ser anunciado, Israel confirmou que tinha dado seu consentimento ao mesmo, com a condição de a Arábia Saudita se comprometer a não bloquear as águas do estreito, um dos pontos dos acordos de paz de Camp David assinados em 1979 entre Egito e Israel.

O anúncio da cessão gerou uma grande polêmica no Egito e motivou os protestos mais numerosos no país nos últimos três anos. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoArábia Saudita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.