Comissão sobre BC argentino convoca autoridades

A comissão que analisa a exoneração do presidente do Banco Central da Argentina, Martín Redrado, convocou o ministro de Economia, Amado Boudou, e o presidente interino da autoridade monetária, Miguel Pesce, além do procurador do Tesouro, Osvaldo Guglielmino, para prestarem depoimento hoje, a partir das 15 horas (horário de Brasília). Redrado também foi convocado, mas para uma audiência que será realizada amanhã, às 18 horas. O anúncio foi feito por um dos três integrantes da comissão, o deputado Gustavo Marconato (governista). Depois destas audiências, a comissão pretende emitir uma recomendação sobre a permanência ou não de Redrado na presidência do BC.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

26 de janeiro de 2010 | 14h33

Apesar da independência do BC e do mandato de seis anos de seu presidente, o Executivo pode exonerá-lo por decreto, como fez a presidente Cristina Kirchner. Porém, antes disso, a presidente tem que submeter sua decisão à análise da comissão bicameral, formada especialmente para tratar este tipo de caso. Cristina omitiu essa etapa do processo e abriu a crise, que já dura desde o dia 4 de janeiro. Redrado garantiu sua permanência no cargo com o aval da Justiça até a última sexta-feira. Tecnicamente, ele ainda é o titular da autoridade monetária, mas a diretoria do BC, ligada ao governo, deu posse ao vice-presidente da instituição, Miguel Pesce, como presidente.

A primeira medida de Pesce foi proibir a entrada de Redrado no edifício do BC, que foi barrado pela Polícia Federal. Depois de expor sua defesa perante a comissão parlamentar, Redrado poderia apresentar sua renúncia e encerrar o caso, segundo versões da imprensa local e de fontes ligadas ao economista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.