Comissão vota por dissolver partido governista tailandês

Comissão vota por dissolver partido governista tailandês

A Comissão Eleitoral da Tailândia decidiu hoje que o partido governista deve ser dissolvido, em razão de suposto uso irregular de doações de campanha. A notícia é uma potencial vitória para os manifestantes contrários ao governo, que realizam marchas em Bangcoc para pressionar o primeiro-ministro a renunciar e convocar eleições.

AE-AP, Agência Estado

12 de abril de 2010 | 11h48

Para valer, a decisão precisa ser referendada pela Corte Constitucional. Além disso, cresce a pressão sobre o primeiro-ministro, Abhisit Vejjajiva, após os mais mortíferos confrontos políticos no país em quase duas décadas, ocorridos no sábado. No total, 21 pessoas morreram.

"Se o tema não pode ser resolvido pelos meios políticos, então a dissolução do Parlamento parece ser um passo razoável", disse o chefe do Exército, general Anupong Paochinda. "Se as pessoas querem um governo de união nacional, então por todos os meios que se avance nisso. Eu só quero que a paz prevaleça." As Forças Armadas têm bastante poder no país e a declaração pode ajudar a desestabilizar o atual governo.

Os manifestantes, chamados Camisas Vermelhas, são em sua maioria partidários do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. O ex-líder foi deposto em um golpe, em 2006, em meio a acusações de corrupção. Agora, vive exilado.

Doações irregulares

Hoje, em sua decisão, a Comissão Eleitoral concluiu que o Partido Democrata - o mais antigo da Tailândia - é culpado por usar irregularmente doações de campanha. Não há data marcada para a Corte Constitucional apreciar o caso. Houve comemoração durante um protesto, quando foi anunciada a determinação do órgão.

A comissão decidiu sobre uma reclamação dos manifestantes, segundo a qual o Partido Democrata recebeu o equivalente a US$ 8 milhões em doações de uma companhia privada de cimento, a TPI Polene, mas não declarou o dinheiro. A sigla também é acusada de utilizar indevidamente o equivalente a US$ 800 mil vindos de um fundo político.

Caso o partido seja dissolvido, será preciso convocar nova eleição. O primeiro-ministro e todos os altos membros do atual governo estariam, nesse caso, banidos da política por cinco anos. Inicialmente, as eleições deveriam ser convocadas no fim de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.