Comissária da ONU pede que EUA fechem prisões secretas

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Louise Arbour, pediu nesta sexta-feira ao Governo dos Estados Unidos que feche os centros de detenção secretos que estão sob o controle de seus serviços de inteligência.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, reconheceu na quarta-feira pela primeira vez que a CIA tem prisões secretas em diferentes lugares do mundo, onde disse que os serviços secretos interrogaram importantes suspeitos de terrorismo.Além disso, anunciou que 14 prisioneiros que estavam nesses centros tinham sido transferidos para a base militar de Guantánamo, em Cuba.Arbour considerou "significativa" a decisão de Washington de transferir esses prisioneiros para Guantánamo, onde - lembrou - poderão receber a visita do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e seus casos serão submetidos a um processo judicial, segundo o anúncio das autoridades americanas.No entanto, a responsável de direitos humanos da ONU disse que "o programa de detenções secretas deve ser completamente abolido, já que o confinamento secreto e em condições de incomunicação viola o direito internacional".Arbour acrescentou que esse tipo de detenção cria "as condições para que aconteçam outros tipos de condutas abusivas".A alta comissária também destacou que a revelação sobre as prisões secretas coincidiu com o anúncio da entrada em vigor do novo manual das Forças Armadas americanas no terreno, "que contém uma proibição mais explícita da tortura e de outros maus-tratos"."Isso é outro passo importante" no respeito aos padrões internacionais de direitos humanos na luta antiterrorista, disse Arbour.No entanto, afirmou que a CIA tem uma série de "procedimentos alternativos" secretos que utiliza em seus interrogatórios, o que faz com que seja impossível verificar se estão de acordo com as técnicas aceitas internacionalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.