Comissária de Direitos da ONU critica pressão sobre WikiLeaks

A alta-comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, manifestou nesta quinta-feira preocupação com os relatos sobre a pressão exercida contra empresas privadas para suspenderem serviços financeiros ou de Internet ao site WikiLeaks.

STE, REUTERS

09 de dezembro de 2010 | 17h12

Pillay disse que, vistas em conjunto, as medidas podem ser interpretadas como uma tentativa de evitar que o WikiLeaks faça suas revelações, o que é uma violação da liberdade de expressão.

Embora não esteja claro quem está por trás dos ataques e contra-ataques digitais, eles geraram preocupações sobre a necessidade de que os países protejam o direito ao livre compartilhamento de informações, conforme prevê o direito internacional, disse a jurista sul-africana.

"Estou preocupado com os relatos sobre a pressão sendo exercida sobre empresas privadas, inclusive bancos, empresas de cartões de crédito e provedores de Internet, para fecharem as linhas de crédito pra donativos ao WikiLeaks, bem como pararem de hospedar o site", disse ela a jornalistas.

"Se o WikiLeaks cometeu algum ato ilegal reconhecível, isso precisa ser tratado por meio do sistema judicial, e não por meio de pressão e intimidação, inclusive contra terceiros."

O WikiLeaks irritou os EUA e outras autoridades ao começar a divulgar detalhes sobre 250 mil comunicações diplomáticas confidenciais norte-americanas.

"O caso desperta questões complexas de direitos humanos a respeito do equilíbrio entre liberdade de informação, o direito das pessoas a saberem, e a necessidade de proteger a segurança nacional ou a ordem pública. Esse equilíbrio é difícil."

Tudo o que sabemos sobre:
ONUTECHWIKI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.