Comissário brasileiro da ONU vai a Bush apelar por civis iraquianos

Um brasileiro tentará convencer opresidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a poupar os civisiraquianos em uma eventual guerra contra o regime de SaddamHussein. Nesta quarta-feira, em Washington, o alto comissário da ONUpara Direitos Humanos, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, serárecebido pela Casa Branca e debaterá a proteção dos direitoshumanos em caso de uma guerra contra Bagdá. Vieira de Mello já anunciou, em várias ocasiões, que umeventual ataque deverá respeitar o princípio de proteção doscivis iraquianos. "Temos que fazer todo o esforço possível para que os danoscolaterais de uma guerra sejam evitados", afirma. Segundo a ONU, 500 mil iraquianos podem morrer caso umaguerra seja lançada contra o país. Outros 900 mil se refugiariamnos países vizinhos. Além do Iraque, o brasileiro irá tratar da luta contra oterrorismo, que virou prioridade do governo Bush após o 11 de setembro. Vieira de Mello, porém, defende que o combate ao terrorismo não pode significara supressão de alguns direitos fundamentais do cidadão. Alémdisso, o brasileiro defende uma revisão da prisão dos Talebansque estão na base militar norte-americana de Guantánamo desde ofim da guerra no Afeganistão. Outro tema que o brasileiro levará a Bush é o da Corte PenalInternacional, que acaba de ser criada. Vieira de Melloexplicará ao governo norte-americano que a Corte é um dosmecanismos mais eficazes contra a impunidade. Os Estados Unidos, porém, são contrários à Corte e, apesar denão conseguirem evitar sua criação, já assinaram acordos commais de 20 países para que seus soldados não sejam levados ajulgamento por esses governos. Além de Bush, o brasileiro estará com Condoleezza Rice,assessora de Segurança Nacional da Casa Branca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.