Comissário da ONU faz alerta sobre violência no Egito

O alto comissário para Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Navi Pillay, disse que estava alarmado com a propagação da violência e o crescente número de mortes no Egito, afirmando que o governo precisa usar força excessiva contra manifestantes.

AE, Agência Estado

29 de janeiro de 2013 | 10h01

Pillay pediu que o governo do presidente Mohammed Morsi "tomará medidas urgentes para assegurar que a aplicação da lei pessoal nunca mais use força excessiva e desproporcional contra manifestantes" porque ambas são ilegais e deverão tornar a situação mais explosiva.

Em um comunicado divulgado nesta terça-feira, o comissário pediu investigações imediatas sobre a onda de violência e uma revisão das táticas policiais usadas para reprimir as demonstrações.

Aproximadamente 60 pessoas foram mortas nos cinco dias de turbulência, enquanto Morsi pediu para o Exército restaurar a ordem e impôs um estado de emergência de 20 dias e toque de recolher à noite. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.