AFP PHOTO / Daniel LEAL-OLIVAS
AFP PHOTO / Daniel LEAL-OLIVAS

Comitê britânico sobre o Brexit sugere que saída da UE pode ser retardada

Relatório do Comitê de Saída da União Europeia sobre avanço das negociações diz que data do divórcio entre Reino Unido e bloco, estipulada para 29 de março de 2019, deve ser estendida se governo não resolver 'aspectos fundamentais' da negociação até outubro

O Estado de S.Paulo

17 Março 2018 | 21h51

LONDRES - A saída oficial do Reino Unido da União Europeia (UE) pode ser retardada devido à existência de várias questões-chave das negociações ainda sem resolver, sugeriu neste domingo (noite de sábado, 17, no Brasil) o comitê para o Brexit do Parlamento britânico.

O dia em que Hawking puxou orelha de May pelo Brexit

Em um novo relatório sobre o avanço das negociações, o Comitê de Saída da União Europeia informou que tinha se "avançado pouco" em temas-chave como manutenção de uma fronteira aberta entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

O divórcio entre o Reino Unido e a UE está previsto para 29 de março de 2019, quase três anos depois do referendo no qual votou-se pela saída do bloco comunitário. As negociações sobre a futura relação entre as duas partes deveriam ser finalizadas em outubro.

"Se em outubro de 2018 ainda houver aspectos fundamentais sobre a futura associação não acordados, o governo deveria buscar uma extensão limitada do prazo do Artigo 50" do Tratado da União Europeia (que estipula a saída de um país do bloco), destaca o comitê, do qual a maioria dos membros apoiou a permanência britânica.

Nenhum acordo sobre o Brexit é melhor que um acordo ruim, diz May

Segundo o líder do comitê, Hilary Benn, as negociações se encontram "em uma fase crítica [...] com apenas sete meses mais para alcançar um acordo em toda série de questões muito complexas".

"O governo deve apresentar agora propostas confiáveis e detalhadas sobre como pode operar uma 'fronteira sem atritos' entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda", acrescentou o deputado, da oposição trabalhista.

"Não conhecemos nenhuma fronteira internacional para além das fronteiras internas da UE, que funcionem sem checagens e sem uma infraestrutura física", destacou.

Entre as outras questões a resolver está o estatuto dos cidadãos de países da UE que cheguem ao Reino Unido durante o período de transição, no qual o país seguirá aplicando as normas europeias em troca de ter acesso ao mercado comum durante um período de até dois anos até a saída oficial.

O comitê advertiu que conceder direitos diferentes aos que chegarem antes da saída britânica seria "incompatível" com o direito europeu. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.