Comitê da Cruz Vermelha quer ter acesso aos prisioneiros

Nos últimos dias, informações do governoamericano apontam que um número significativo de combatentesiraquianos se rendeu ou foi capturado pelo exército dos EstadosUnidos. Hoje, a rede de TV Al Jazira informou que dez soldadosamericanos foram presos pelo exército de Bagdá. O que o ComitêInternacional da Cruz Vermelha (CICV) quer saber, agora, é o queserá feito com esses prisioneiros de guerra. Na semana passada, a entidade entrou em contato com osgovernos envolvidos no conflito pedido acesso aos prisioneiros.O objetivo das visitas é garantir que os prisioneiros não serãoalvos de tortura e desaparecimento, como proíbe o direitohumanitário internacional. Além disso, seria através do CICV queos prisioneiros poderiam enviar e receber recados de seusfamiliares. "Esperamos em breve receber a autorização dos governos paraque tenhamos acesso aos prisioneiros", afirmou Nada Dumani,assessora de imprensa do CICV, em Genebra. A entidade pedeacesso irrestrito a todos os prisioneiros e a possibilidade deentrevistá-los sem presença de testeumunhas. Outro objetivo do CICV é conseguir registrar todos os presos,para garantir que nenhum deles desaparecerá enquanto estiver nasmãos dos inimigos. "Somente então poderemos saber exatamentequantos prisioneros existem", disse Dumani.A entidade, porém, não divulgará suas conclusões de suasvisitas aos presos. O motivo é resguardar sua credibilidade eneutralidade, para pode ser aceita pelos países envolvidos noconflito.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.