Comitê da ONU critica Israel por discriminar crianças

Especialistas em direitos humanos da ONU criticaram hoje Israel por discriminar crianças pertencentes a grupos minoritários dentro de seu território. O Comitê sobre Direitos da Criança afirmou estar preocupado também com o tratamento dispensado pelo Estado judeu a crianças palestinas nos territórios ocupados. O comitê, formado por 10 especialistas independentes, fez estas considerações depois de analisar o cumprimento por parte de Israel da Convenção sobre os Direitos da Criança, de 1989. O painel analisa periodicamente a performance de todos os 191 países que assinaram o tratado.Os especialistas expressaram sua preocupação com as "desigualdades" no acesso à educação, saúde e serviços sociais para crianças árabes israelenses, beduínas, etíopes e de outras minorias, assim como para portadoras de deficiência física e estrangeiras. O comitê conclamou Israel a "tomar todas as medidas possíveis para conciliar a interpretação das leis religiosas com os direitos humanos fundamentais", para garantir que meninos e meninas sejam tratados igualmente.O embaixador israelense nas Nações Unidas, Yaakob Levi, afirmou que seu país realizou uma série de reformas para melhorar a situação dos direitos das crianças. Por outro lado, Levi chegou a elogiar o relatório porque, segundo ele, pela primeira vez um braço da ONU usou o termo "atacantes suicidas palestinos" na parte em que condena o terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.