Comitê diz que segurança da ONU no Iraque foi negligente

Um comitê independente acusa, em relatório, a ONU de ter cometido graves falhas de segurança que puseram centenas de funcionários das Nações Unidas em grande perigo e causaram baixas desnecessárias quando a sede da organização em Bagdá sofreu um atentado terrorista, em 19 de agosto.O texto cita violações amplas dos próprios procedimentos de segurança definidos pela ONU, avaliação incorreta dos novos perigos surgidos após a invasão do Iraque e um tratamento negligente das questões de segurança pelos altos funcionários da instituição. O relatório, porém, não acusa indivíduos.?O fracasso da ONU em cumprir seus próprios regulamentos e diretrizes de segurança deixou a organização, seus funcionários e instalações abertos e vulneráveis ao tipo de ataque? ocorrido em 19 de agosto, afirma o relatório. Foi nesse ataque que morreu o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.O relatório afirma que a alta administração da ONU em Bagdá pediu, diversas vezes, que as forças da coalizão que ocupa o país desmantelassem suas posições a equipamentos das vizinhanças do hotel onde ficava a sede.O texto foi elaborado por um comitê liderado pelo ex-presidente da Finlândia, Martti Ahtisaari, a pedido do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, após pressões do Sindicato dos Funcionários das Nações Unidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.