Comitê do Pulitzer estuda revogar prêmio de 1932

Um Prêmio Pulitzer concedido em 1932 a um correspondente do New York Times está sob revisão e poderá ser revogado. O Pulitzer é o mais prestigioso prêmio do jornalismo americano. O trabalho em questão é de Walter Duranty, que cobriu a União Soviética para o NYT entre 1922 e 1941. Duranty, aclamado em sua época por uma entrevista exclusiva com Stálin, realizada em 1929, é acusado de ter acobertado a grande fome da Ucrânia 1932, provocada deliberadamente pelo governo soviético para forçar os agricultores ucranianos a entregar suas terras. Estima-se que sete milhões de pessoas tenham morrido.Acredita-se hoje que Duranty divulgava a linha oficial do Partido Comunista Soviético, não os fatos. Em um livro de 1990, Apologista de Stálin, ele é acusado de ter acobertado as atrocidades cometidas na Ucrânia para preservar seu acesso pessoal ao ditador. Mesmo o Times já se afastou das glórias passadas do repórter: o Pulitzer conquistado por Duranty é exibido com o aviso: ?Outros jornalistas, no Times e em outros lugares, desacreditaram esta cobertura?.Esta não é a primeira vez que o Comitê do Pulitzer revê a premiação de Duranty. Uma análise anterior, realizada em 1990, optou por manter o prêmio, considerando que a homenagem havia sido concedida por trabalhos realizados antes do início da fome na Ucrânia. Nenhum Prêmio Pulitzer jamais foi cassado pelo comitê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.