Comitê parlamentar aprova a Lei Antiterrorista no Japão

Projeto prevê que os navios japoneses forneçam combustível à campanha militar dos EUA no Afeganistão

Efe,

12 de novembro de 2007 | 08h17

Um comitê do Parlamento japonês aprovou nesta segunda-feira, 12, a nova Lei Antiterrorista para que os navios japoneses forneçam combustível à campanha militar dos Estados Unidos no Afeganistão, embora ainda esteja pendente sua passagem pelo plenário das duas Câmaras. Segundo a agência Kyodo, a lei será votada nesta terça-feira, no plenário da Câmara Baixa, onde será aprovada previsivelmente pela arrasadora maioria da coalizão governamental, embora o Senado esteja controlado pela oposição, que a rejeita. A Lei Antiterrorista será, portanto, aprovada antes de o primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, viajar esta semana aos Estados Unidos para reunir-se com o presidente George W. Bush. O secretário-geral do governamental Partido Liberal-Democrata (PLD), Bummei Ibuki, advertiu, no entanto, que Fukuda poderia dissolver a Câmara Baixa e convocar eleições antecipadas caso sua Lei Antiterrorista não seja aprovada no atual período de sessões, que termina no dia 15 de dezembro. Em princípio, as eleições gerais devem acontecer no Japão em 2009, mas a cada vez maior pressão do opositor Partido Democrático (PD), que venceu o pleito ao Senado em julho, poderia desencadear uma antecipação, segundo muitos analistas. A nova Lei Antiterrorista permite que as forças de Autodefesa japonesa prestem apoio logístico aos militares dos EUA no Afeganistão mediante o fornecimento de combustível através de seus navios. A lei que autorizou essa operação durante seis anos expirou no dia 1º de novembro sem que fosse prorrogada pelo Parlamento devido à rejeição da oposição, que controla o Senado. No entanto, em caso de divergências nas votações das duas Câmaras, a lei voltaria a ser votada na Baixa, onde o previsível que seja aprovada com o respaldo majoritário do partido no poder.

Tudo o que sabemos sobre:
Lei abtuterroristaJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.