Stephanie Keith/Getty Images/AFP
Stephanie Keith/Getty Images/AFP

Como a crise entre Trump, Biden e Ucrânia fez democratas apostarem no impeachment

Denúncia envolvendo a Ucrânia é mais fácil de ser vendida pelos democratas ao público cético

Amber Phillips/ Washington Post, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2019 | 06h00

WASHINGTON - A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, democrata pela Califórnia, decidiu apoiar a abertura de investigações para o impeachment do presidente Donald Trump depois de meses de resistência. 

Uma denúncia anônima de um agente de inteligência envolvendo Trump e a Ucrânia parece ser o fator que precipitou a decisão dos democratas céticos quanto à eficácia do impeachment na Câmara – mas por quê?

Rússia e ofensas a deputadas

No primeiro semestre, uma investigação de quase dois anos constatou que Trump saudou a ajuda da Rússia nas eleições de 2016 e pode ter atuado na obstrução da justiça depois que assumiu o cargo. 

Para Entender

Guia para entender a polêmica entre Trump, a família Biden e a Ucrânia

Como a acusação de Trump contra Biden e suspeitas democratas contra o republicano envolvem o país europeu e uma empresa de gás

Em julho,  Trump usou linguagem racista para atacar quatro mulheres, congressistas democratas. Pelosi e outros poderosos democratas da Câmara se opuseram ao impeachment apesar de tudo isso. Até agora.

É possível que a decisão de Pelosi tenha sido forçada pelos fatos.  Trump diz que não fez nada de impróprio, mas os republicanos do Senado enfrentam dificuldades para defendê-lo.

Talvez os líderes democratas da Câmara sentissem que não tinham escolha a não ser apoiar o processo de impeachment que já está sendo encaminhado no Comitê Judiciário. 

Convencimento dos mais céticos

Também é possível que Pelosi finalmente tenha encontrado algo com o qual ela possa convencer um público cético quanto ao impeachment.

As acusações a Trump têm muitas camadas, mas são mais fáceis de se compreender do que o descoberto pelo conselheiro especial Robert Mueller sobre a Rússia.

Não havia um definitivo “sim, Trump violou a lei ao fazer x, y e z”, nas 448 páginas do relatório Mueller. Em vez disso, ele pintou a imagem detalhada de um presidente que pode ter obstruído a justiça no sentido legal e cuja campanha deu as boas-vindas à ajuda da Rússia, mas não alcançou a definição legal de conluio com um poder estrangeiro. Há muitas nuances no relatório Mueller que não cabem em um adesivo de para-choque.

Para Entender

Filho de Joe Biden muda rumos de eleição americana

Ao acusar Trump de abuso de poder por pedir à Ucrânia dados sobre negócios de seu filho, democrata precisará explicar tema incômodo

Em contraste, as alegações da Ucrânia podem ser resumidas em uma frase.  “O presidente dos Estados Unidos pode ter usado sua posição para pressionar um país estrangeiro a investigar um oponente político, e ele buscou usar dólares dos contribuintes americanos como alavanca para fazê-lo”.

Investigações devem ser lentas

Ainda não se sabe o que há na denúncia original do informante. Mas a essência geral é que Trump = corrupção. Se Pelosi precisava de uma ação de Trump para aprimorar a frase, talvez seja esta.

Outra razão pela qual as alegações da Ucrânia romperam a barragem do impeachment pode ser o fato de os investigadores do Congresso terem sentido que não tinham mais opções para responsabilizar Trump por seus atos. Ele e sua administração impediram, ignoraram e zombaram das intimações do Congresso. Será que ir à justiça para conseguir informações faria com que o Congresso parecesse ainda mais fraco?

Alguns legisladores democratas estão tão desesperados por respostas que começaram a considerar o poder há muito adormecido do desprezo inerente, ou multar funcionários que não cooperam ou até mesmo levá-los à cadeia. O impeachment, disse Adam Schiff, presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, no domingo, “pode ser a única solução equivalente ao mal que a conduta dele representa”.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.