EFE/EPA/STR
EFE/EPA/STR

Como ciberopositores da Belarus revelaram segredos da repressão de Lukashenko

Os registros - que variam de ligações grampeadas a documentos internos - oferecem uma visão abrangente dos esforços belarusso para esmagar a dissidência política

Dalton Bennett e Robyn Dixon / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2021 | 20h00

WASHINGTON - Uma série de invasões cibernéticas ao governo da Belarus por ativistas pró-democracia revelou detalhes sobre aparentes abusos cometidos pelas forças de segurança, expôs informantes da polícia e coletou dados pessoais de altos funcionários, incluindo o filho do presidente Alexander Lukashenko.

O vasto tesouro acumulado por um grupo que se autodenomina "Cyber ​​Partisans" parece fazer parte de um dos maiores e mais organizados grupo de ativistas hackers de oposição a um governo, dizem analistas.

Os registros - que variam de ligações grampeadas a documentos internos - oferecem uma visão abrangente dos esforços do governo de Belarus para esmagar a dissidência política e podem ser parte de possíveis acertos judiciais futuros sobre as prisões e outros abusos que foram amplamente condenados pelo Ocidente.

A Belarus mergulhou em uma crise no ano passado, depois que a oposição rejeitou os resultados oficiais nas eleições presidenciais de agosto de 2020, que deram a Lukashenko uma vitória esmagadora, desencadeando os maiores protestos da história do país. Lukashenko, que governa desde 1994, ordenou uma forte repressão aos manifestantes e milhares foram presos. Líderes e ativistas da oposição foram presos ou fugiram do país.

O Cyber ​​Partisans, um grupo de cerca de 15 ciberopositores autodidatas que fugiram da Belarus, disse que teve a ajuda de membros insatisfeitos das forças de segurança belarussas. Os hackers afirmam ter acesso a mais de seis terabytes de dados, incluindo todo o banco de dados de passaportes nacionais e um banco de dados confidencial de funcionários de segurança e outros, como o filho de Lukashenko, Viktor.

Os ataques começaram quando um membro do Cyber ​​Partisan desfigurou um único site do governo em setembro passado, mas eles cresceram como uma bola de neve nos últimos meses, prejudicando membros do regime, oficiais de segurança e outros.

O grupo afirma ter acesso a 5,3 milhões de gravações de chamadas telefônicas grampeadas, incluindo as de altos funcionários da polícia e de segurança, nos servidores do Ministério do Interior. As escutas foram feitas por uma seção do Ministério do Interior, conhecida como DOORD, que lida com atividades operacionais de busca, incluindo a escuta secreta de seus próprios funcionários, disse o grupo.

A ciberinfiltração, apelidada de Operação Calor, expôs o que parecem ser ordens de oficiais de segurança a subordinados para espancar e aterrorizar manifestantes pacíficos após a eleição presidencial do ano passado, cujos resultados foram rejeitados como fraudulentos pela oposição belarussa, os EUA e a União Europeia.

The Cyber ​​Partisans forneceu ao Washington Post amostras das escutas hackeadas, incluindo uma lista de cerca de 10 mil chamadas gravadas e metadados que as acompanham. O Post não conseguiu verificar de forma independente as identidades das pessoas nas ligações, mas nenhum oficial belarusso questionou publicamente a autenticidade das postagens dos Cyber ​​Partisans. Pelo menos um importante oficial de segurança belarusso reconheceu que grupos de oposição empreenderam esforços de invasão.

O Ministério do Interior da Belarus e o Ministério do Interior não fizeram comentários sobre os ataques de hackers ativistas ou as gravações publicadas de ligações específicas. O Ministério da Informação da Belarus não respondeu a uma pergunta sobre se poderia confirmar a extensão das ações.

"Nunca vi nada parecido", disse Gabriella Coleman, especialista em hacking e ativismo da Universidade McGill em Montreal. "O que estamos vendo na Belarus é muito mais organizado, melhor executado, tem muito mais profundidade, amplitude e impacto. Nesse sentido, é único."

Dimitri Alperovitch, presidente do Silverado Policy Accelerator que anteriormente cofundou a empresa de segurança cibernética CrowdStrike e trabalhou como seu diretor de tecnologia, tuitou: "Isso é um hack de estado tão abrangente quanto se pode imaginar."

"O regime ouviu seu próprio povo falar livremente sobre comandos ilegais emitidos para espancar inocentes e torturá-los", disse um representante dos Cyber ​​Partisans em mensagens ao Post.

“O regime não confia em seu próprio povo”, acrescentou o representante, falando sob condição de anonimato e usando um aplicativo de mensagens criptografadas para proteger sua segurança pessoal. “Queremos impedir que as forças de segurança participem de violações dos direitos humanos e duras repressões contra protestos.”

Analistas dizem que as ações hackers podem trazer algumas brechas no regime de Lukashenko, mas é improvável que desvendem seu aparato de segurança.

"Acho isso muito desmoralizante para as agências de aplicação da lei, especialmente o vazamento de informações de oficiais de inteligência ou da segurança do estado", disse o analista político independente da Belarus, Dimitri Bolkunets, que fugiu do país e dirige um popular canal no YouTube. "O fato de essa informação ter sido hackeada e divulgada é um golpe muito sério para eles. Acho que a elite política está com medo."

Mas ele disse que Lukashenko ainda está determinado a se agarrar ao poder e que seus apoiadores restantes provavelmente considerarão os ataques falsos.

Uma gravação de telefone grampeada em 11 de agosto de 2020, dois dias após a eleição presidencial, é supostamente do coronel Nikolai Maximovich, vice-chefe do Departamento de Minsk do Ministério do Interior, para um subordinado regional. 

O subordinado pediu esclarecimentos a Maximovich sobre o que fazer com um grupo de pessoas que circulava pacificamente, nem mesmo usando as pulseiras brancas ou as cores vermelho e branco do movimento de protesto.

"Eles estão apenas sentados em bancos e andando", disse o subordinado. "E apenas alguns deles têm pulseiras brancas e assim por diante. Eles não estão violando nada."

Maximovich teria respondido que a polícia deveria prendê-los, levá-los à delegacia, jogá-los no chão e espancá-los. Ele salpicou seu pedido com obscenidades: "Eles deveriam (palavrões) estar no chão com seus rostos contra o cimento e (palavrões) vencê-los! Isso é tudo que você tem de fazer."

"Mas há pessoas no parque, como mulheres", respondeu o subordinado na gravação. A resposta de Maximovich é liberar as forças de segurança para "espancar todos" para "deixá-los com medo da polícia".

Uma mulher atendeu um número de telefone fornecido pelos Cyber ​​Partisans para Maximovich, dizendo que iria passar uma mensagem para ele de que o Post o estava procurando para uma entrevista. Ele não ligou de volta.

Os hackers também acessaram imagens de drones da polícia, banco de dados de veículos motorizados do país, queixas à polícia e vídeo de câmeras de vigilância. O grupo compartilhou detalhes de carros registrados para oficiais da KGB no aplicativo de mensagens Telegram e publicou nomes e endereços de pessoas que ligaram para a polícia para denunciar seus vizinhos por apoiarem ou participarem de protestos.

O grupo também descobriu detalhes de ligações feitas às autoridades pelos eleitores nas eleições de 2020 relatando fraude eleitoral.

O chefe da KGB da Belarus, Ivan Tertel, disse a Lukashenko e outros funcionários do governo em 3 de julho que o país estava lutando contra o que ele chamou de "ataques híbridos" estrangeiros, incluindo ataques cibernéticos contra o governo e agências de segurança.

Em 17 de agosto, Lukashenko ordenou que as autoridades voltassem aos registros em papel se os dados do computador não pudessem ser protegidos. No dia seguinte, um tribunal belarusso classificou os Cyber ​​Partisans como extremistas, efetivamente banindo o grupo.

Bolkunets, o analista, disse que funcionários de grandes empresas estatais foram obrigados a usar apenas celulares mais antigos sem conexões de internet.

Em outra ligação grampeada postada pelo grupo, Alexander Kisel, subchefe de polícia da região de Brest, supostamente disse a um colega em Minsk que pelo menos 500 manifestantes foram detidos em um ginásio militar.

"Nós os tivemos todos de joelhos ou cotovelos (palavrões) com cachorros ao redor deles o tempo todo desde a noite passada, prontos para esmurrá-los se eles tentassem se mover", diz a suposta gravação de Kisel em 11 de agosto de 2020.

Ele prossegue, dizendo: "Quanto mais pessoas mandarmos para o hospital, melhor... Por isso, estamos espancando-as como gatos vadios (palavrões)". 

O Cyber ​​Partisans disse ao Post que identificou Kisel com a ajuda de policiais e funcionários de segurança que renunciaram por causa das repressões. As tentativas de entrar em contato com Kisel para entrevista não foram bem-sucedidas.

Alguns dos dados do Cyber ​​Partisans são usados ​​pela ativista Yanina Sazanovich, editora-chefe de um canal popular do Telegram, o Black Book of Belarus, que identifica membros dos serviços de segurança envolvidos na repressão. Os dados publicados por esses grupos foram transformados em um mapa interativo, Blackmap.org.

"Eles torturaram meu país", disse ela ao Post. "E, nesta guerra, não temos armas. Temos verdade e 'desanonimização' e este é o nosso poder e vamos usá-lo", disse ela.

Em uma mensagem recente, os Cyber ​​Partisans sugeriram que estava jogando um longo jogo. "Quando o regime entrar em colapso, você terá de tentar correr muito rápido", dizia a mensagem em uma referência aos principais apoiadores de Lukashenko, "porque é muito fácil entendê-lo e ninguém escapará da responsabilidade".



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.