Como de hábito, brasileiro usou metáfora equestre

Famoso pela paixão por cavalos, o presidente João Baptista Figueiredo não deixou de lado o hábito de se referir a eles em conversa com o secretário de Estado Alexander Haig. No encontro, os dois lamentam que o momento internacional não seja o melhor para a reunião entre os governos dos dois países. É a deixa para o brasileiro, que diz gostar de "saltar obstáculos", embora não pretendesse "bater o recorde mundial de altura". Figueiredo conclui que "esperava fazer com que os cavalos (de Brasil e EUA) não contornassem os obstáculos (...), mas os superassem". / M. M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.