Como derrotar a jihad cibernética do século 21

ANÁLISE: John Arquilla / Foreign Policy

O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2013 | 02h03

Um paradoxo do conflito com a Al-Qaeda é o fato de que os terroristas, em grande parte inspirados pela ideologia radical islâmica do século 14, usam com grande habilidade a tecnologia da informação do século 21. Seja para contar sua história, recrutar ou transmitir um "aprendizado à distância" para terroristas, a Al-Qaeda usa há muito tempo a internet e continua desfrutando sem problemas desse refúgio virtual. Ele é tão importante quanto seus refúgios físicos, vez por outra atacados nas montanhas do Waziristão, do Iêmen e de outros locais remotos.

O atentado de Boston lembrou novamente ao mundo as vantagens exploradas pela Al-Qaeda no espaço cibernético, porque, ao que tudo indica, os irmãos Tsarnaev passaram por um processo de radicalização e treinamento por meio de sites jihadistas. E não foram os únicos. Os ataques ocorridos em Londres, em 2005, nos quais morreram 52 pessoas, o complô fracassado no aeroporto de Glasgow, em 2007, o ataque abortado contra Fort Dix, em 2007, o massacre provocado por Nidal Hasan em Fort Hood, em 2009, e a frustrada tentativa de derrubar um avião da Northwest, no mesmo ano, revelaram terroristas que usavam material online para motivar e treinar pessoal. Em todos os casos, foram apuradas informações e descobertos links com sites de Anwar al-Awlaki - morto em um ataque de drones em 2011 - e Abu Mus'ab al-Suri.

Embora a influência de al-Awaki como propagandista aparentemente tenha desaparecido com ele, a concepção estratégica de Al-Suri sobre a criação de uma rede de pequenas células jihadistas desprovidas de um líder - exposta em um texto de 1,6 mil páginas intitulado "The Global Islamic Resistance Call" (A Chamada Global da Resistência Islâmica) - tornou-se um verdadeiro manual de estratégia da Al-Qaeda.

Um plano a ser observado com atenção: a criação de pequenas equipes de terroristas em lugares inesperados. Não se trata de jihadistas particularmente habilidosos - o que pode ser aprendido online tem limites -, mas motivados, dedicados e suficientemente hábeis para causar danos suficientes para chamar a atenção mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.