REUTERS
REUTERS

Como estão as operações de retiradas de civis do Afeganistão

Arredores de aeroporto são controlados pelo Taleban; EUA dizem que grupo insurgente dificulta saída

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2021 | 10h00

A retirada de diplomatas, afegãos e outros estrangeiros prossegue em condições difíceis em Cabul, capital do Afeganistão. Uma gigantesca ponte aérea foi criada desde domingo, 15, com aviões de diversos países resgatando civis, mas o Taleban controla os arredores do aeroporto.

Veja os acontecimentos mais recentes:

Alemanha envia 600 soldados a Cabul

A Alemanha retirou 500 pessoas, incluindo 202 afegãos, e aprovou o envio de 600 soldados a Cabul para ajudar na saída do maior número possível de pessoas até 30 de setembro, no mais tardar.

Primeiro voo chega à Espanha

O primeiro avião militar da Espanha procedente de Cabul com 50 espanhóis e colaboradores afegãos pousou nesta quinta-feira, 19, na base militar de Torrejón de Ardoz, ao nordeste de Madri.

A Espanha também aceitou ajudar a retirar do Afeganistão funcionários locais da União Europeia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e transportá-los para a Europa. Os cidadãos afegãos serão enviados para vários países europeus.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, afirmou na quarta-feira que a UE tinha "400 pessoas para repatriar".

Novo voo de afegãos para a França

A ponte aérea francesa, via Emirados, prossegue com a chegada nesta quinta-feira de um novo voo com 120 pessoas, essencialmente afegãos. Um primeiro contingente de afegãos chegou na quarta-feira a Paris.

"Estamos contabilizando um certo número de necessidades muito urgente. Falamos, sem dúvida, de algumas milhares de pessoas que devem ser retiradas do Afeganistão, em sua maioria afegãos", declarou o secretário de Estado francês para Assuntos Europeus, Clément Baune.

Milhares de retirados por Washington e Londres 

O governo dos Estados Unidos enviou 6 mil militares para garantir a segurança no aeroporto de Cabul e retirar os 30 mil americanos e civis afegãos que trabalharam para Washington e temem por suas vidas. Desde o início das opeações no dia 14, foram retirados mais de 7 mil pessoas.

O Departamento de Estado afirma, porém, que os talibãs "estão impedindo que os afegãos que desejam sair do país cheguem ao aeroporto".

O Reino Unido retirou 306 britânicos e 2.052 afegãos.

Mais de 200 afegãos chegam a Roma

Mais de 200 afegãos chegaram a Roma, entre eles uma militante dos direitos humanos, Zahra Ahmadi, e funcionários da Fundação Veronesi, que abriu um centro de tratamento de câncer em Herat, atualmente fechado.

Pontes aéreas de outros países 

A Turquia repatriou 324 cidadãos na segunda-feira e organiza o retorno de mais de 200 de Cabul.

Outros voos partiram nos últimos dias para Holanda, Polônia (segundo avião chegou nesta quinta), Dinamarca (320 pessoas chegaram nesta quinta-feira), Noruega, República Tcheca, Hungria e Bulgária. Quinze romenos não conseguiram chegar ao aeroporto de Cabul e o avião enviado por seu país retornou com apenas uma pessoa. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.