AFP PHOTO / Adrian DENNIS
AFP PHOTO / Adrian DENNIS

Como fica o Parlamento britânico após derrota política de May

Theresa May tentará formar um governo de minorias para conseguir se manter no poder; situação já aconteceu em 2010, quando o Reino Unido teve seu primeiro governo de coalizão desde a 2.ª Guerra

O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2017 | 11h09

Com o revés do partido da primeira-ministra britânica, Theresa May, nas eleições de quinta-feira 8, a configuração do Parlamento do Reino Unido passa por algumas mudanças. O Partido Conservador ainda tem a maior representação, mas não atingiu a marca de 326 cadeiras necessárias para obter maioria absoluta.

Desta forma, diversos analistas e meios de comunicação estão definindo o cenário como “hung Parliament”. Isso significa que nenhum partido tem a maioria dos assentos na Câmara dos Comuns.

Apesar de May ter rejeitado os pedidos de renúncia e ainda ser a primeira-ministra do país, a situação ficou complicada para ela. No momento, a premiê pretende conseguir formar um governo de minoria com o Partido Unionista Democrático da Irlanda do Norte (DUP).

Se ela falhar nessa missão, o segundo partido com mais cadeiras no Parlamento - no caso, o Trabalhista, de Jeremy Corbyn - teria o direito de tentar formar um governo.

Para lembrar

O “hung Parliament” já aconteceu antes. Nas eleições de 2010, após intensas negociações, o país teve seu primeiro governo de coalizão desde a 2.ª Guerra. A situação uniu conservadores e trabalhistas, que diferem em diversos temas, em uma aliança incomum liderada pelo então primeiro-ministro conservador, David Cameron. / com NYT

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoTheresa MayParlamentarismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.