Como foi o desempenho da gestão Trump na economia americana

Como foi o desempenho da gestão Trump na economia americana

Até o aparecimento da pandemia do novo coronavírus, a economia do país apresentava indicadores positivos; depois, foi abalada profundamente

AFP, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2020 | 19h32

Até o aparecimento da pandemia do novo coronavírus, a economia dos Estados Unidos apresentava vários indicadores positivos, começando com níveis recorde de empregos. Foi, então, o principal argumento eleitoral do atual presidente do país, Donald Trump, em busca de um segundo mandato. 

Mas a covid-19 levou o país a uma profunda crise econômica e social e abalou o tabuleiro de xadrez econômico do atual governo.

Desemprego

Quando Donald Trump chegou à Casa Branca em janeiro de 2017, o desemprego já estava em um número baixo, de 4,7%

Durante sua posse em janeiro de 2009, seu antecessor Barack Obama herdou um desemprego de 9,8% após a crise financeira decorrente dos créditos hipotecários em 2008. Quatro anos depois, quando o democrata inaugurou seu segundo mandato, o número de desempregados havia caído e o número era de 6,6%

O desemprego continuou diminuindo até a pandemia, atingindo seu nível mais baixo em 50 anos em setembro de 2019: 3,5%. Até fevereiro deste ano o índice era de 3,6%. Em um esforço para conter o vírus, a população foi confinada, escolas e negócios não essenciais fecharam as portas. As viagens aéreas foram drasticamente reduzidas.

Resultado: a taxa de desemprego subiu para 4,4% em março e, no mês seguinte, atingiu o maior recorde histórico de 14,7%. Os números passaram de mínimos a máximos em menos de um ano. Desde maio, o índice começou a diminuir e atingiu 7,9% ao final de setembro. 

Em 2018 e 2019, a economia dos EUA criou uma média respectiva de 193.000 e 175.000 empregos por mês, em comparação com 226.000 e 195.000 em 2015 e 2016, os últimos dois anos do mandato de Obama.

Para Entender

Trump ou Biden? Ferramenta mostra quem venceria hoje nos EUA

A cada dia fazemos 10 mil eleições simuladas, com dados das pesquisas mais recentes, para estimar o resultado mais provável em cada Estado e no colégio eleitoral

Crescimento e recessão

Trump chegou à Casa Branca com uma economia saudável. Mas antes da pandemia, seu governo também impulsionou o crescimento em meio a uma situação global bastante favorável e, acima de tudo, uma sólida confiança dos consumidores americanos. 

Em 2017, o crescimento atingiu 2,3% frente a 1,6% em 2016, último ano de Obama na Casa Branca. Em 2018, o PIB cresceu 2,9% e em 2019, 2,3%, valores bem superiores aos de outros países industrializados. 

Com a pandemia, os Estados Unidos entraram em recessão no segundo trimestre e embora a economia se recupere à medida que as atividades são retomadas, o crescimento ainda é inferior ao registrado em 2019.

Déficit e dívida

A reforma fiscal adotada em 2017, a mais importante em 30 anos, reduziu o imposto de renda dos mais ricos e baixou o imposto sobre as empresas de 35% para 21%. Essas medidas estimularam o crescimento em 2018, mas também alimentaram a dívida e o déficit fiscal, que cresceu 26% no ano fiscal de 2019, para perto de US$ 1 trilhão. 

Com o coronavírus, o déficit atingiu um nível histórico em 2020, após gastos para conter o impacto econômico da pandemia, e ultrapassa os US$ 3 trilhões, um recorde absoluto. A dívida também cresceu para US$ 26,9 trilhões no ano fiscal de 2020, que terminou em setembro.

Plano de ajuda urgente

No final de março, republicanos e democratas votaram a favor da "Cares Act", uma lei que incluía um plano de ajuda emergencial de US$ 2,2 trilhões, o maior adotado na história do país

Um cheque de US$ 1.200 foi enviado a muitos americanos, junto com generosos benefícios de desemprego de US$ 600 dólares, bem como apoio para que empresas limitassem as demissões. No final de abril, o Congresso expandiu o plano em quase US$ 500 bilhões. 

Mas, no final de julho, essas ajudas começaram a ser reduzidas ou expiradas e até agora os políticos não chegaram a um acordo para um novo plano, muito solicitado pelos mercados e economistas.

O Fed

O Federal Reserve e seu presidente, Jerome Powell, costumavam ser alvos do presidente Trump, que os acusava de ter desacelerado a economia aumentando as taxas de juros em 2018. 

Mas, dada a amplitude da crise causada pela pandemia, o Fed levou suas taxas de referência para níveis mínimos que atualmente estão entre 0 e 0,25% ao ano. Também implementou programas para injetar dinheiro na economia e garantir o fluxo de recursos dos bancos para as empresas. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.