Jim Huylebroek/NYT
Jim Huylebroek/NYT

Como foi o governo do Taleban na última vez em que o grupo dominou o Afeganistão

Regime concentrou o poder dentro de um círculo restrito de ex-rebeldes que ajudaram a derrubar os soviéticos na década de 1980 e foi guiado por uma interpretação estrita da sharia

Kevin Sieff, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 10h00

Enquanto os combatentes do Taleban tomavam Cabul na noite de domingo, perambulando pelos corredores do palácio presidencial abandonado, o grupo emitiu um comunicado: Em breve ressuscitaria o antigo nome do Afeganistão.

O país que foi construído após a invasão dos EUA em 2001 a um custo de mais de US$ 2 trilhões seria revertido para o "Emirado Islâmico do Afeganistão".

Esse é o nome que o país teve entre 1996 e 2001 - período que agora serve como o único ponto de referência para o que os afegãos e a comunidade internacional podem esperar do novo governo em Cabul. Como milhares de insurgentes, que passaram as últimas duas décadas lutando em uma guerra de guerrilha, administrarão o estado?

Na última vez que o Taleban governou o Afeganistão, o regime concentrou o poder dentro de um círculo restrito de ex-rebeldes que ajudaram a derrubar os soviéticos na década de 1980. Esse grupo emergiu da guerra civil do país na década de 1990, prometendo um governo guiado por uma interpretação estrita da sharia, a lei islâmica. A execução dessa visão levou a uma nação profundamente violenta, repressiva e instável que acolheu terroristas transnacionais e se tornou um pária global.

O primeiro emirado foi lançado em 1996, logo após a chegada do Taleban a Cabul. No final de setembro daquele ano, combatentes torturaram e mataram o ex-presidente Najibullah e, ​​em seguida, penduraram seu corpo em um posto de trânsito. Em um mês, o Taleban despachou esquadrões da “polícia da moralidade” de uma agência conhecida como Promoção da Virtude e Eliminação do Vício.

Os homens foram forçados a deixar a barba crescer. As mulheres foram obrigadas a usar burcas. Escolas para meninas foram fechadas. Mulheres que estavam desacompanhadas em locais públicos podiam ser espancadas. O futebol foi banido. A música também, além dos cânticos religiosos. O governo taleban realizou execuções públicas no Estádio Ghazi, em Cabul.

O mundo lá fora tinha vislumbres periódicos do país (embora tirar fotos fosse tecnicamente proibido): havia o vídeo de uma mãe afegã forçada a se ajoelhar no estádio, morta a tiros entre os postes do gol. Havia fotos de crianças morrendo de doenças evitáveis ​​em um hospital pediátrico em ruínas. Imagens das antigas estátuas budistas pulverizadas pelo Taleban porque seus líderes consideravam as imagens de pedra idólatras. O mar de refugiados e deslocados que viviam em tendas improvisadas em toda a região.

"O que devemos fazer? Todas as semanas, duas crianças morrem”, disse Gulam Said, um homem desabrigado em um acampamento ao longo do rio Panjshir, ao New York Times em 1999.

Mesmo assim, o regime fez tentativas esporádicas de ganhar legitimidade internacional. Tentou enviar um diplomata à Assembleia Geral da ONU. Em outubro de 1996, o líder do Taleban, Mohammad Omar, enviou uma carta aos representantes dos EUA alegando que "o Taleban tem uma opinião elevada dos EUA, aprecia a ajuda dos EUA durante a jihad contra os soviéticos e deseja boas relações com os EUA."

O emirado tentou reproduzir o verniz de um estado moderno. Havia ministros da saúde e do comércio, por exemplo. Houve um governador de banco central. Mas muitos desses oficiais eram ex-comandantes militares com educação madrassa, escola islâmica.

Naquela época - como agora - a comunidade internacional tinha que decidir se e como se engajar com um regime que considerava moralmente repreensível que, no entanto, liderava um país que precisava desesperadamente de ajuda internacional. Em 1998, o enviado das Nações Unidas Lakhdar Brahimi se encontrou com Mohammad Omar para falar sobre o acesso humanitário.

“Tivemos uma conversa de verdade por três horas, embora estivéssemos sentados no chão o tempo todo”, Brahimi lembrou mais tarde.

Mas, à medida que a profundidade dos abusos dos direitos humanos pelo Taleban se tornou cada vez mais clara, os esforços diplomáticos se dissiparam. Omar raramente deixava Kandahar; ele se comunicou principalmente por mensageiros. Suas milícias queimaram aldeias inteiras e visaram a minoria xiita do Afeganistão em campanhas militares brutais.

“Enquanto tomava e explicava suas decisões, às vezes ele mencionava seus sonhos”, escreveu Steve Coll em um artigo da New Yorker, publicado em 2012, sobre Omar.

O ambiente fragmentado e caótico que permitiu a ascensão do Taleban também tornou difícil governar.

“Os problemas que o Taleban enfrentou ao tentar instituir um governo e um estado funcionais foram os mesmos que muitas administrações aspirantes encontraram antes: estabelecer autoridade sobre uma população ferozmente independente e um monopólio da violência dentro das fronteiras soberanas do país”, escreveu Felix Kuehn em História de guerra e paz do Talibã no Afeganistão.

Quando a casa de Omar em Kandahar foi destruída em uma explosão de bomba, foi Osama bin Laden quem ajudou a financiar seu novo palácio.

Em 1998, Bin Laden começou a oferecer entrevistas à mídia estrangeira em seu complexo de tendas no sul do Afeganistão.

Depois que Bin Laden foi acusado de atacar as embaixadas dos EUA em Nairóbi e Dar es Salaam em 1998, o governo Clinton disparou mísseis cruse contra o Afeganistão. No ano seguinte, sancionou o regime do Taleban.

Em 2000, o Taleban, mais uma vez em busca de ajuda internacional, rescindiu um decreto que proibia as mulheres de trabalhar para agências internacionais de ajuda humanitária. Mas os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 rapidamente levaram à derrubada do governo do Taleban.

Eventualmente, o grupo se reconfigurou como uma poderosa insurgência, instalando "governadores sombra" em todo o país para se opor ao novo governo afegão apoiado pelos EUA. Mas nos últimos anos, à medida que o retorno do grupo ao poder parecia inevitável, os analistas começaram a se perguntar como seria um novo regime do Taleban. 

“O Taleban pós-2001 provou ser uma organização de aprendizado, mais política e mais aberta à influência de fatores externos”, escreveu Thomas Ruttig em um artigo para o Centro de Combate ao Terrorismo em West Point.

Outros apontaram para a perspectiva mais global dos atuais membros do Taleban.

“Muitos líderes do Taleban já passaram mais de uma década no Paquistão ou no Golfo, o que ampliou muito seus horizontes a partir de sua educação paroquial no sul do Afeganistão”, escreveram Borhan Osman e Anand Gopal em 2016 em Taliban Views on a Future State.

Mas no domingo, enquanto os afegãos assistiam à marcha do Taleban em direção ao palácio presidencial do país em Cabul, eles relembraram os momentos mais sombrios do último emirado. Correram para o aeroporto ou cruzaram as fronteiras - tentando sair do país antes do início do novo regime.

Tudo o que sabemos sobre:
TalebanAfeganistão [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.