Shekib Rahmani/AP
Shekib Rahmani/AP

Como grupos de mídia retiraram seus funcionários do Afeganistão 

A retirada dos que trabalhavam para veículos como 'The New York Times' e 'The Washington Post' ocorreu após um esforço de resgate global que se estendeu do Pentágono ao Catar 

The New York Times, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2021 | 20h00

Durante horas, eles esperaram na pista sob o calor implacável, com crianças e malas e carrinhos de bebê a reboque, na esperança de um voo para a liberdade que não chegaria. Mais de 200 afegãos de todas as classes sociais - cozinheiros, jardineiros, tradutores, motoristas, jornalistas - se reuniram na pista do aeroporto de Cabul em busca de fuga de um país cujo governo havia entrado em colapso com velocidade chocante.

Quando as forças do Taleban invadiram o aeroporto lotado, o grupo - funcionários locais do The New York Times, The Wall Street Journal e The Washington Post, junto com seus parentes - ouviu tiros. Eles se espalharam rapidamente, voltando para casas onde sua segurança não poderia ser garantida.

Levaria vários longos dias até que alguns membros do grupo conseguissem garantir a passagem para sair do Afeganistão na quinta-feira - uma retirada que veio depois de um esforço de resgate global que se estendeu das redações americanas aos corredores do Pentágono e ao palácio do emir em Doha, no Catar. O correspondente do One Times, um ex-fuzileiro naval dos EUA, que havia sido retirado antes, mas retornou em um avião militar para ajudar seus colegas afegãos, ficou dentro do aeroporto para ajudar a coordenar a fuga.

A provação do grupo foi uma das muitas que aconteceram na semana passada no Afeganistão, onde cidadãos que trabalharam lado a lado com jornalistas ocidentais por anos - ajudando a informar o mundo sobre as dificuldades de sua nação - agora temem por sua segurança e a de suas famílias sob o Taleban. Os meios de comunicação de todo o mundo apelaram a diplomatas de alto nível e agentes locais para ajudar seus funcionários a escapar de uma situação que ninguém esperava que acontecesse de forma tão brutal e rápida.

Como a situação no Afeganistão se deteriorou nos últimos dias, os editores do Times, WSJ e Post se uniram em seus esforços de retirada. O pessoal de segurança e os editores compartilhavam informações nas ligações matinais. Os editores pediram ao governo Biden que ajudasse a facilitar a passagem de seus colegas afegãos, e discussões ocorreram com funcionários da Casa Branca, do Pentágono e do Departamento de Estado.

No domingo, as redações foram fechadas e as ruas de Cabul ficaram caóticas. À medida que as tropas americanas, empreiteiros e equipes de segurança deixavam o país, os funcionários da redação tinham cada vez menos visibilidade da situação no local. Alguns funcionários afegãos temiam que as forças do Taleban fossem de porta em porta, intimidando ou mesmo sequestrando jornalistas que sabidamente trabalharam com veículos americanos.

Os militares americanos haviam garantido uma parte do Aeroporto Internacional Hamid Karzai, a apenas alguns quilômetros do centro de Cabul, mas chegar lá e obter acesso ao terminal tornou-se quase impossível. No domingo, o grupo de mais de 200 pessoas ligadas aos três jornais, entre funcionários e seus parentes, viajou até a pista do aeroporto, na esperança de fazer contato com militares americanos, segundo três pessoas informadas sobre os acontecimentos, algumas delas solicitaram anonimato.

Em vez disso, eles encontraram um cenário de confusão em massa, com centenas de outros afegãos em pânico buscando refúgio. Quando as forças do Taleban chegaram, a situação ficou mais perigosa; membros do grupo saíram desidratados, famintos e desanimados, sem nenhuma ideia clara do que aconteceria a seguir, disseram as pessoas.

De volta a Nova York e Washington, os líderes dos jornais buscaram contatos diplomáticos em países com embaixadas no Afeganistão, perseguindo pistas que poderiam resultar em porto seguro e transporte para seus funcionários. “Havia muitos planos e muitos esforços que falharam ou fracassaram”, disse Michael Slackman, editor-assistente de redação internacional do Times. “Você teria um plano à noite e duas horas depois as circunstâncias no terreno teriam mudado.”

Uma opção surgiu quando Hillary Clinton, a ex-secretária de Estado, ofereceu alguns assentos para funcionários afegãos em um voo fretado que sua equipe estava tentando arranjar para ajudar mulheres afegãs em risco, de acordo com três pessoas informadas sobre as discussões. Os funcionários acabaram não pegando o voo.

Na terça-feira, 13 pessoas do Post - incluindo dois funcionários afegãos e suas famílias e um correspondente americano - puderam partir em um transporte militar americano com destino ao Catar com a ajuda de "várias pessoas coordenando em diferentes frentes", de acordo com a porta-voz, Kristine Coratti Kelly. Fred Ryan, editor do Post, havia enviado um e-mail ao conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, para obter ajuda.

Na sexta-feira de manhã, o editor do WSJ Almar Latour disse em um e-mail para a equipe que um grupo de 76 colegas afegãos e suas famílias conseguiram deixar o Afeganistão e mais 4 pessoas estavam "a caminho da segurança". Ele agradeceu ao governo do Catar por sua ajuda e disse que a empresa agradecia "os esforços do governo dos EUA e de oficiais militares em uma situação fluida e difícil".

Matt Murray, o editor-chefe do WSJ, disse em um e-mail separado que as pessoas haviam chegado ao Catar no início da semana e ele esperava que em breve elas pudessem partir para outro destino.

Um grande avanço para um grupo de 128 pessoas do Times aconteceu quando o governo do Catar, um país com laços tanto com o Afeganistão quanto com os Estados Unidos, concordou em ajudar. O Catar é o lar de uma base militar americana; também tem uma embaixada em Cabul e um relacionamento com líderes do Taleban.

A.G. Sulzberger, editor do Times, disse que a empresa estava profundamente grata ao governo do Catar, "que foi realmente inestimável para colocar nossos colegas afegãos e suas famílias em segurança".

"Também agradecemos aos muitos funcionários do governo dos EUA que demonstraram interesse pessoal na situação de nossos colegas e do pessoal militar em Cabul que os ajudou a sair do país”, disse Sulzberger em um comunicado. “Instamos a comunidade internacional a continuar trabalhando em nome dos muitos bravos jornalistas afegãos que ainda estão em risco no país.”

Os meios de comunicação continuam focados em ajudar os afegãos cujo emprego, em alguns casos, remonta a décadas. Alguns estão escondidos em cidades fora de Cabul, incapazes de viajar para o aeroporto ou passar pelos postos de controle do Taleban. O próprio aeroporto de Cabul continua inundado por ondas de afegãos em busca de voos para fora do país, com as forças do Taleban bloqueando vários pontos de entrada.

Durante a noite de quinta-feira, funcionários do Times e seus parentes fizeram outra tentativa de chegar ao aeroporto. Inicialmente rejeitado por multidões e guardas em um posto de controle do Taleban, o grupo acabou encontrando uma entrada aberta, de acordo com as três pessoas informadas sobre os eventos.

Para Entender

O que é o Taleban e como o grupo retomou o poder no Afeganistão

Grupo fundamentalista que busca instaurar uma versão radical da lei islâmica se espalhou por todo o país, invadindo uma cidade após a outra até conquistar Cabul

O grupo foi auxiliado por dois correspondentes estrangeiros do Times: Mujib Mashal e Thomas Gibbons-Neff. Neff, um ex-fuzileiro naval, havia inicialmente deixado Cabul com um grupo inicial de refugiados americanos. Mais tarde, porém, ele voou de volta para Cabul em um avião militar e ficou na ala ocupada pelos americanos do aeroporto, onde aconselhou seus colegas afegãos sobre como e quando fazer a aproximação.

“Funcionários do Departamento de Estado - tanto em Washington quanto em Cabul - têm mantido contato constante e ininterrupto com organizações de mídia sediadas nos EUA em relação aos esforços para colocar seus repórteres, funcionários e afiliados em segurança”, disse o Departamento de Estado em um comunicado. “É uma prioridade nossa e agradecemos as notícias de hoje.”

Os próximos passos para os meios de comunicação não são claros. Para correspondentes de língua inglesa que permanecem em Cabul, cobrir a história que ainda está se desenrolando se tornou mais perigoso.

Na quinta-feira, um fotojornalista do Los Angeles Times, Marcus Yam, e um fotógrafo de outro meio de comunicação americano foram espancados por um combatente do Taleban que insistiu que eles apagassem de suas câmeras todas as imagens que haviam tirado. Os fotógrafos foram detidos por 20 minutos até que um combatente que falava inglês percebeu que eles trabalhavam para a mídia ocidental e os libertou.

Em vez de carros blindados, alguns jornalistas de radiodifusão agora dependem de táxis não identificados, para evitar o escrutínio ou atenção indesejada. Depois que o Taleban assumiu o poder, Clarissa Ward, da CNN, mudou para uma abaya de corpo inteiro para continuar falando com os afegãos nas ruas. Roxana Saberi, da CBS News, mudou para o Zoom quando se tornou muito difícil conduzir entrevistas em público livremente.

O serviço de celular não é confiável, mas alguns correspondentes tentam evitar telefones via satélite, para que suas localizações não sejam reveladas, segundo Deborah Rayner, vice-presidente sênior da CNN para coleta de notícias internacionais.

“As pessoas serão muito mais clandestinas em sua coleta de notícias, porque elas terão de ser”, disse John Lippman, o diretor interino de programação da Voice of America. “Cobriremos o Afeganistão de fora do Afeganistão, se for necessário.”

Reportar remotamente pode ser melhor do que não reportar, mas grupos de liberdade de imprensa estão preocupados que uma repressão do Taleban impeça o mundo de saber o que está acontecendo dentro do país. “O conhecimento local dos jornalistas afegãos não pode ser substituído”, disse Joel Simon, diretor-executivo do Comitê para a Proteção dos Jornalistas, em um comunicado.

Uma organização de notícias aumentou seu quadro de funcionários no Afeganistão: Al Jazeera, a rede de televisão sediada no Catar.

Mohamed Moawad, seu editor-chefe, disse esta semana que seus correspondentes conseguiram se deslocar sem restrições no Afeganistão e que ele despachou mais repórteres, incluindo alguns que viajaram de Doha e países vizinhos. Um veterano correspondente afegão ajudou a rede a obter imagens exclusivas do Taleban assumindo o controle do palácio presidencial.

“Colocar o foco no Afeganistão agora é muito vital e crucial para o povo do Afeganistão, para responsabilizar o Taleban por seus compromissos que eles colocaram na mesa”, disse ele.

Mas Moawad expressou preocupação de que a cobertura global do Afeganistão possa enfraquecer à medida que as condições se deteriorem e os jornalistas estrangeiros, junto com seus colegas afegãos, não se sintam mais seguros. “Temos de garantir que a cobertura continue”, disse ele.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.