AP Photo/Michael Sohn
AP Photo/Michael Sohn

Como o candidato de Angela Merkel está jogando fora sua eleição na Alemanha

Armin Laschet, candidato a chanceler do partido União Democrata Cristã de Angela Merkel, está caindo nas pesquisas e parece estar arrastando o partido com ele

Melissa Eddy/The New York Times, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2021 | 12h00

Seu partido é o maior da Alemanha. Ele ganhou todas as eleições, exceto três desde 1950, incluindo as últimas quatro. A chanceler que está deixando o cargo é mais popular do que qualquer político do país. E os eleitores alemães anseiam por estabilidade e continuidade. 

Armin Laschet, o candidato a chanceler do partido conservador União Democrata Cristã, deveria estar em alta. A corrida para substituir Angela Merkel era sua, não poderia perder. Até agora, no entanto, ele parece estar fazendo exatamente isso.

Semanas antes da votação mais importante em uma geração, - uma que produzirá um chanceler que não é Merkel pela primeira vez em 16 anos — Laschet está afundando e puxando seu partido com ele.

A disputa ainda está acirrada e a política de coalizão da Alemanha é tão imprevisível que seria perigoso anunciar a derrota do candidato conservador. Mas depois que pesquisas recentes mostraram que o partido de Laschet caiu para níveis recordes — de 20% a 22% de apoio — sua posição é tão terrível que até mesmo alguns democratas-cristãos se perguntam em voz alta se escolheram o candidato errado.

De forma mais ampla, a campanha de Laschet gerou mal-estar entre os conservadores que temem estar vendo uma fraqueza no apelo do partido, disfarçada por anos pela própria popularidade de Merkel e agora é exacerbada por sua incapacidade de preparar um substituto.

Em 2018, ela anunciou sua sucessor escolhida a dedo, Annegret Kramp-Karrenbauer, uma centrista moderada. Mas mesmo com o apoio de Merkel, Kramp-Karrenbauer teve problemas para sair da sombra da chanceler e construir sua própria base. Ela se afastou em 2020 como líder dos conservadores, deixando a porta aberta para Laschet.

Ele há muito se gabava de que, se pudesse governar o Estado mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte-Vestfália, onde é governador desde 2017, poderia governar o país. Mas então uma inundação extraordinária neste verão colocou até mesmo essa credencial em questão, expondo falhas em suas políticas ambientais e gestão de desastres.

“O maior problema para Laschet é que ele não conseguiu convencer os eleitores de que pode fazer o trabalho como Merkel”, disse Julia Reuschenbach, cientista política da Universidade de Bonn.

Ela citou imagens dele rindo enquanto o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, fazia um discurso sombrio após devastadoras enchentes que mataram 180 pessoas e posou diante de um monte de lixo para fazer uma declaração. "Ele parece inseguro, irreverente e pouco profissional", disse Reuschenbach.

Nas últimas semanas, Laschet viu sua popularidade cair abaixo da de seu rival social-democrata, Olaf Scholz, enquanto o apoio ao partido de Laschet está em queda livre desde o final de julho.

A situação é tão terrível que Merkel, que disse querer ficar fora da disputa, agora está intervindo e tentando reunir eleitores para Laschet.

“Sejamos honestos: está apertado. Será muito apertado nas próximas semanas ”, disse Markus Söder, chefe do ramo conservador da Baviera, a União Social Cristã, e um antigo rival, em um comício eleitoral em 20 de agosto que teve o objetivo de impulsionar a campanha de Laschet em uma reta final e intensa. "Não é mais uma questão de como poderíamos governar, mas possivelmente de se poderemos governar."

Söder desafiou abertamente Laschet este ano pela chance de suceder a chanceler, e ele ainda desfruta de uma popularidade individual mais alta entre os alemães do que a de Laschet.

Os alemães elegem partidos, não um candidato a chanceler. Mas ao longo dos quatro mandatos de Merkel no cargo, seu partido desfrutou do chamado bônus de chanceler, ou seja, a disposição dos eleitores de efetivamente votar pela consistência.

Embora Merkel continue a ser a política mais popular da Alemanha, suas recentes tentativas de angariar apoio para Laschet não conseguiram mudar sua sorte, em parte porque pareceram de última hora e indiferentes.

Em vez disso, Scholz agora parece estar colhendo os benefícios, enfatizando sua proximidade com Merkel para se tornar o segundo político mais popular do país.

“Até os eleitores conservadores tendem a aprovar Scholz”, disse Ursula Münch, diretora da Academia de Educação Política em Tützing.

No entanto, Laschet é conhecido por reviravoltas, por sobreviver a erros - incluindo inventar notas de alunos depois de perder suas provas quando dava aulas - e por sua capacidade de reverter campanhas decadentes na reta final. Nas semanas anteriores à votação de 2017 na Renânia do Norte-Vestfália, ele se concentrou na necessidade de aumentar a segurança em um cenário de arrombamentos recordes, para melhor integrar os migrantes e reposicionar a indústria do Estado para se concentrar no futuro. A estratégia funcionou e ele derrotou o atual governador social-democrata, após ficar atrás nas pesquisas durante a maior parte da disputa.

Entre as características importantes de Laschet está sua fé. Em uma época em que mais e mais alemães estão deixando a Igreja Católica Romana, Laschet é um membro orgulhoso. "Não sou alguém que usa versículos da Bíblia em minha política", disse ele. "Mas é claro que isso me influenciou." E Merkel elogiou seu cristianismo como uma bússola moral orientadora.

Laschet observou que sua fé era algo que ele tinha em comum com o presidente Biden, acrescentando que a última vez em que os líderes dos Estados Unidos e da Alemanha compartilharam essa fé foi na década de 1960, com o presidente John F. Kennedy e o chanceler Konrad Adenauer — também democrata cristão.

Outra influência para Laschet é Aachen, a cidade mais a oeste da Alemanha, onde ele nasceu e foi criado. Tendo crescido em um lugar com laços profundos com a Bélgica e a Holanda, Laschet foi integrado ao grande ideal europeu durante toda a sua vida. Ele ainda mantém uma casa em Aachen com sua esposa, Susanne, que conheceu no coro da igreja. Juntos, eles têm três filhos adultos, incluindo Joe Laschet, um influenciador de mídia social e fashionista de roupas masculinas clássicas.

O primeiro cargo político de Laschet foi como funcionário municipal em 1979. Ele foi eleito para o Parlamento alemão em 1994 e, cinco anos depois, foi eleito para representar sua região natal como membro do Parlamento Europeu. Ele entrou para o governo estadual na Renânia do Norte-Vestfália em 2005, como primeiro ministro da integração da Alemanha - uma função focada nos migrantes e seus descendentes que lhe rendeu reconhecimento nacional.

Depois que os democratas-cristãos sofreram uma terrível derrota nas eleições estaduais de 2012, Laschet ajudou a reconstruir o partido. Ele apoiou a decisão de Merkel de receber mais de um milhão de imigrantes em 2015 e, dois anos depois, tornou-se governador da Renânia do Norte-Vestfália.

Em janeiro, ele lutou para se tornar o líder dos democratas-cristãos, derrotando Söder, que continua sendo um político mais popular entre muitos alemães. Se estas características vão ajudar Laschet a salvar a si mesmo ainda não se sabe.

Ele teve alguns sucessos, incluindo uma aparição agressiva no primeiro debate televisionado. Laschet também montou uma equipe de especialistas, incluindo ex-rivais, como Friedrich Merz, que é muito querido entre a ala conservadora do partido, em um esforço para mostrar suas habilidades de construção de pontes. Mas nenhuma dessas coisas reduziu o fosso cada vez maior com os social-democratas.

Em uma parada de campanha em Frankfurt an der Oder, uma mulher empunhando um celular abriu caminho em direção ao candidato enquanto ele estava em uma ponte com vista para a fronteira polonesa, fazendo uma declaração aos repórteres sobre o papel da Alemanha na Europa.

Questionada se ela pretendia votar em Laschet, ela objetou. "Ainda não sei em quem vou votar", disse a mulher, Elisabeth Pillep, 44. "Mas não acho que será ele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.