AP Photo/Manuel Balce Ceneta
AP Photo/Manuel Balce Ceneta

Como o coronavírus pode afetar a campanha eleitoral nos Estados Unidos

Doações de campanha impactadas, eventos cancelados e debate realocado são algumas das mudanças na disputa eleitoral

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 18h27

A pandemia do coronavírus afetou até esta quinta-feira, 12, mais de 126 mil pessoas pelo mundo, matou 4.647, cancelou centenas de voos, causou prejuízos gigantescos nos mercados financeiros, esvaziou prateleiras de supermercados e mudou a rotina de milhares de pessoas. E também impacta a disputa pela Casa Branca

Enquanto lutam nas primárias para obter os votos dos delegados do Partido Democrata, o ex-vice-presidente Joe Biden e o senador Bernie Sanders tiveram de cancelar ou suspender eventos com grande número de pessoas. Em situações assim, os candidatos aproveitam para arrecadar fundos decisivos para o sucesso de suas campanhas eleitorais.

Caso a crise do coronavírus persista e desacelere a economia dos Estados Unidos, as doações para a campanha democrata e republicana, de Donald Trump, também cairão, já que a disposição dos doadores tende a diminuir. Nesse contexto, se os americanos perceberem que a economia não está tão boa quanto o presidente costuma defender em seus discursos, um dos pilares de sua estratégia de campanha estará fragilizado.

Segundo pesquisas recentes da Gallup, a economia é o tema que mais motiva os americanos a irem às urnas. Nesta semana, Trump anunciou a suspensão por 30 dias de viagens provenientes da Europa, medida que trará impactos consideráveis à economia americana. 

Até mesmo o debate presidencial do próximo domingo, 15, foi remanejado. Ele seria realizado no Estado de Arizona, mas devido à orientação de evitar grande circulação de pessoas, será na sede da CNN em Washington. 

A forma como os Estados Unidos e outros países lidarão com a crise também já é pauta entre eleitores. Nos últimos dias, Trump tem criticado a forma como a União Europeia lidou com a pandemia e tratou o caso como um problema do exterior. Agora, também já afeta os EUA. Caso uma parte do eleitorado prefira a abordagem de Joe Biden ou de Bernie Sanders em uma eventual agravação da crise, o apoio a Trump pode se ver diminuído.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.