Sergey Ponomarev/The New York Times
Sergey Ponomarev/The New York Times

Como o Kremlin está militarizando a sociedade russa

Nos últimos oito anos, o governo russo promoveu a ideia de que a pátria está cercada de inimigos, filtrando o conceito por meio de instituições nacionais como escolas, forças armadas, mídia e Igreja Ortodoxa

The New York Times, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2021 | 10h00

MOSCOU - Subindo no pódio com botas pesadas e uniforme militar em uma cerimônia fora de Moscou, seis adolescentes receberam prêmios por uma disciplina cada vez mais importante na Rússia: o patriotismo.

Durante dias, estudantes de todo o país competiram em atividades como leitura de mapas, tiro e questionários de história. O concurso foi financiado em parte pelo Kremlin, que tem feito da educação “patriótica militar” uma prioridade.

“Pais e filhos entendem que essa camada agressiva ao nosso redor está apertando, está endurecendo”, disse Svyatoslav Omelchenko, um veterano das forças especiais da KGB que fundou a Vympel, o grupo que comanda o evento. “Estamos fazendo todo o possível para garantir que as crianças estejam cientes disso e para prepará-las para servir.”

Nos últimos oito anos, o governo russo promoveu a ideia de que a pátria está cercada de inimigos, filtrando o conceito por meio de instituições nacionais como escolas, forças armadas, mídia e Igreja Ortodoxa. Levantou até a possibilidade de que o país tenha de se defender novamente, como fez contra os nazistas na 2ª Guerra.

Agora, enquanto a Rússia reúne tropas na fronteira com a Ucrânia, estimulando os temores ocidentais de uma invasão iminente, a constante militarização da sociedade russa sob o presidente Vladimir Putin de repente se torna grande e parece ter convencido a muitos com a ideia de que uma luta poderia estar se aproximando.

“As autoridades estão vendendo ativamente a ideia de guerra”, disse Dimitri Muratov, editor do jornal russo que dividiu o Prêmio Nobel da Paz este ano, em seu discurso de aceitação em Oslo, Noruega, neste mês. “As pessoas estão se acostumando com a ideia de sua permissibilidade.”

Falando aos líderes militares russos na terça-feira, Putin insistiu que a Rússia não queria derramamento de sangue, mas estava preparada para responder com "medidas técnicas militares" ao que ele descreveu como comportamento agressivo do Ocidente na região.

Embora a febre da guerra não esteja aumentando, há muitos sinais de que o governo está se preparando para o conflito. Um programa de quatro anos de US$ 185 milhões iniciado pelo Kremlin este ano visa aumentar drasticamente a "educação patriótica" dos russos, incluindo um plano para atrair pelo menos 600 mil crianças de até 8 anos para se juntarem às fileiras de um Exército Jovem uniformizado. Os adultos aprendem com a televisão estatal, na qual programas políticos levam para as casas a narrativa de um golpe fascista na Ucrânia e um Ocidente empenhado na destruição da Rússia.

E todos estão unidos pela memória quase sagrada da vitória soviética na 2ª Guerra - aquela que o Estado aproveitou para moldar uma identidade de uma Rússia triunfal que deve estar pronta para pegar em armas mais uma vez.

Alexei Levinson, chefe de pesquisa sociocultural do Levada Center, um pesquisador independente de Moscou, chama a tendência de “militarização da consciência” dos russos. Nas pesquisas regulares do centro, o Exército em 2018 se tornou a instituição mais confiável do país, ultrapassando até mesmo o presidente. Este ano, a proporção de russos que disseram temer uma guerra mundial atingiu o nível mais alto registrado em pesquisas que datam de 1994 - 62%.

Isso não significa, advertiu Levinson, que os russos receberiam de bom grado uma conquista territorial sangrenta da Ucrânia. Mas significa, disse ele, que muitos foram condicionados a aceitar que a Rússia está presa em uma rivalidade existencial com outras potências em que o uso da força é uma possibilidade.

Em uma pesquisa do Levada publicada na semana passada, 39% dos russos disseram que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia era inevitável ou muito provável. Metade disse que os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) são os culpados pelo recente aumento das tensões, e não mais do que 4% - em todas as faixas etárias - disseram que a culpa é da Rússia.

A convicção em toda a sociedade de que a Rússia não é o agressor reflete uma ideologia central que data dos tempos soviéticos: que o país só luta em guerras defensivas. O governo até destinou dinheiro para filmes que exploram esse tema. Em abril, o Ministério da Cultura decretou que “vitórias históricas da Rússia” e “missão de paz da Rússia” estavam entre os tópicos prioritários para produtores de filmes que buscam financiamento do governo.

“No momento, está sendo promovida a ideia de que a Rússia é um país amante da paz permanentemente cercado por inimigos”, disse Anton Dolin, um crítico de cinema russo. “Isso é contradito por alguns fatos, mas se você mostrar no cinema e traduzir essa ideia na época da Grande Guerra Patriótica, todos nós instantaneamente teremos um esquema familiar a todos desde a infância.”

Na televisão estatal russa, a narrativa de uma Ucrânia controlada por neonazistas e usada como palco para a agressão ocidental tem sido um tópico comum desde a revolução pró-Ocidente em Kiev em 2014. Após a revolução, a Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia, fomentou uma guerra no Leste da Ucrânia e aguçou sua mensagem sobre a Rússia como uma "fortaleza sitiada".

Alguns analistas temem que a escalada da retórica esteja lançando as bases para o que a Rússia consideraria uma intervenção defensiva para proteger sua segurança e os falantes de russo na Ucrânia. Yevgeni Popov, um membro recém-eleito do Parlamento e apresentador de um popular programa político na TV estatal, disse que sua audiência subiu nas últimas semanas. "A tensão está aumentando”, disse ele.

“Acho que a maioria das pessoas na Rússia só seria favorável se defendessemos os russos que vivem nesses territórios”, disse Popov, referindo-se aos territórios separatistas na Ucrânia, onde centenas de milhares receberam cidadania russa.

A eficácia das mensagens militarizadas do Estado está em debate. As pesquisas mostram que os jovens têm uma visão mais positiva do Ocidente do que os russos mais velhos, e o sentimento pró-Kremlin gerado pela anexação da Crimeia parece ter se dissipado em meio à estagnação econômica.

Mas o Kremlin está se desdobrando. Seu esforço para aumentar a “educação patriótica” inclui financiamento para grupos como o Vympel. A organização “militar patriótica” tem cerca de 100 seções em todo o país e organizou a recente competição de habilidades na cidade de Vladimir, que terminou quinta-feira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.