Patrick T. FALLON / AFP
Patrick T. FALLON / AFP

Como o novo sistema de diques de Nova Orleans impediu um desastre igual o do Katrina

Quando o furacão Ida passou na noite de domingo, a cidade mais vulnerável da América, metade da qual fica abaixo do nível do mar, não foi inundada

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2021 | 15h00

Os ventos eram fortes, a água parecia interminável e toda a cidade escureceu, mas 16 anos após uma falha histórica das defesas de Nova Orleans contra desastres, os diques resistiram. Quando o furacão Ida passou na noite de domingo, a cidade mais vulnerável da América, metade da qual fica abaixo do nível do mar, não foi inundada.

O ambicioso investimento federal de US$ 15 bilhões não foi reproduzido em muitas das regiões mais tempestuosas do país,  apesar das tempestades cada vez mais violentas e mudanças nos padrões climáticos. Embora os residentes ainda enfrentem problemas nas próximas semanas, as inundações extremas que tornaram o Katrina tão devastador em 2005 foram evitadas desta vez por causa do investimento maciço em defesa contra furacões e porque a tempestade não foi um golpe tão direto na cidade quanto o Katrina, de acordo com funcionários do governo, engenheiros independentes e ativistas ambientais.

O governador da Lousiana John Bell Edwards considerou o desempenho dos novos diques “uma boa notícia” e o porta-voz do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA, Ricky Boyett, disse que o sistema de barreiras funcionou como planejado.

"Alguns dos principais engenheiros de diques do país também ficaram satisfeitos, mas eu certamente adiaria a declaração de vitória porque é muito cedo para ter certeza de que as ondas de água não fluirão para a cidade", disse Ed Link , um engenheiro de pesquisa da Universidade de Maryland que liderou a investigação do Corpo de Engenheiros do Exército sobre as falhas dos diques durante o Katrina.

Em 2005, cerca de 1.500 pessoas foram mortas quando a água açoitada pelo vento passou pelos diques que defendiam a cidade. O presidente George W. Bush prometeu uma revisão rápida e total do sistema de diques. O processo foi polêmico, o preço aumentou cinco vezes e os engenheiros discutiram durante anos sobre o que exatamente construir, mas em um prazo relativamente curto, o Congresso desembolsou o dinheiro e o Corpo do Exército construiu os diques e as bombas.

“Temos um bom sistema agora e estou bastante confiante de que funcionou ”, disse Sandy Rosenthal, fundadora da Levees.org, que pressionou para melhorar as defesas contra inundações da cidade após o Katrina. “Nós descobrimos o que não funcionou a um custo humano terrível. Este sistema é melhor, mais forte e maior. ”

Mas o sucesso contra uma megastorm é causa apenas para uma celebração limitada, de acordo com engenheiros e defensores, por dois grandes motivos: Ida não foi o teste final do novo sistema de Nova Orleans, e milhares de quilômetros de diques em todo o país permanecem perigosamente vulneráveis ​​a fortes tempestades. / WASHINGTON POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.