Sioned Taylor via REUTERS
Sioned Taylor via REUTERS

Como o Pegasus pode ter sido usado para localizar princesa que tentava fugir de Dubai

Dias antes de ser interceptada, Princesa Latifa foi adicionada a uma lista que incluía alvos de um spyware poderoso, mostra uma nova investigação

Drew Harwell, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2021 | 18h25

A princesa foi cuidadosa, deixando o telefone no banheiro do café. Ela tinha visto o que seu pai era capaz de fazer com as mulheres que tentavam escapar.

Ela se escondeu no porta-malas de um Audi Q7 preto e, em seguida, saltou em um Jeep Wrangler enquanto sua equipe de fuga corria naquela manhã dos arranha-céus cintilantes de Dubai para as ondas agitadas do Mar da Arábia. Eles lançaram um bote de uma praia na vizinha Omã e, a 25 quilômetros de distância, mudaram para jet-skis. Ao pôr do sol, eles alcançaram seu iate em marcha lenta, o Nostromo, e começaram a navegar em direção à costa do Sri Lanka.

A princesa Latifa bint Mohammed al-Maktoum, filha de 32 anos do temível governante de Dubai, acreditava estar mais perto do que nunca do asilo político - e, pela primeira vez, da verdadeira liberdade nos Estados Unidos, disseram membros de sua equipe de fuga em entrevistas.

Mas havia uma ameaça para a qual ela não havia se planejado: a ferramenta de spyware Pegasus, que, sabe-se, o governo de seu pai usava para hackear e rastrear secretamente os telefones das pessoas. Dados vazados mostram que quando comandos armados invadiram o iate, oito dias depois de sua fuga, os operativos haviam inserido os números de seus amigos mais próximos e aliados em um sistema que também havia sido usado para selecionar alvos de vigilância Pegasus.

“Atire em mim aqui. Não me levem de volta ", gritou ela enquanto os soldados a arrastavam para fora do barco, a cerca de 30 milhas da costa, de acordo com um relato que compõe uma decisão do Tribunal Superior de Justiça do Reino Unido. Então ela desapareceu.

A fuga fracassada de Latifa de seu pai - o xeque Mohammed bin Rashid al-Maktoum, primeiro-ministro, vice-presidente e ministro da defesa dos Emirados Árabes Unidos - gerou indignação e deu vida a um mistério preocupante: como, dadas todas as suas precauções, princesa foi encontrada?

Uma investigação do The Washington Post, junto a um consórcio internacional de organizações de notícias, pode oferecer uma nova percepção crítica: os números de Latifa e de seus amigos aparecem na lista do Pegasus, programa de hacking do grupo israelense NSO e pivô de um escândalo de espionagem internacional.

Os números de Latifa e seus amigos foram adicionados à lista nas horas e dias após seu desaparecimento em fevereiro de 2018, mostra a investigação. Os Emirados Árabes Unidos eram considerados clientes da NSO na época, de acordo com evidências descobertas pelo grupo de pesquisa Citizen Lab.

Não se sabe qual papel, se é que houve, o software desempenhou na captura da princesa. Seus telefones não estavam disponíveis para exames forenses, e a lista não identifica quem colocou os números nela ou quantos foram visados ​​ou comprometidos. Em várias declarações, o NSO negou que a lista fosse puramente para fins de vigilância.

“Não é uma lista de alvos ou alvos potenciais dos clientes da NSO, e sua confiança repetida nesta lista e a associação das pessoas nesta lista como alvos de vigilância em potencial é falsa e enganosa”, disse o NSO em uma carta na terça-feira, 20.

Mas quando o Laboratório de Segurança da Anistia Internacional examinou dados de 67 telefones que estavam na lista para procurar evidências forenses do spyware Pegasus, encontrou rastros em 37, incluindo 23 que foram infectados com sucesso, e sinais de tentativa de invasão em outros 14. 

As análises forenses dos 37 smartphones também mostraram que muitos exibiam uma correlação estreita entre os registros de data e hora na lista e o início da vigilância - às vezes em apenas alguns segundos.

No ano seguinte à perseguição de Latifa, agentes parecem ter colocado na lista números de outra princesa de Dubai: uma das seis esposas do xeque, Haya bint Hussein, que expressou preocupação sobre o confinamento de Latifa antes de fugir com seus dois filhos pequenos para Londres.

Princesa Haya, sua meia-irmã, seus assistentes, seu treinador de cavalos e membros de suas equipes jurídicas e de segurança, todos tiveram seus telefones incluídos na lista no início de 2019, tanto nos dias anteriores quanto nas semanas depois que ela também fugiu de Dubai, mostra a investigação. Naquela época, Haya disse mais tarde a um tribunal britânico, ela havia enfrentado ameaças de exílio em uma prisão no deserto e duas vezes descobriu uma arma em sua cama.

Um advogado da NSO disse que a empresa "não tem conhecimento das atividades de inteligência específicas de seus clientes" e que a lista de números poderia ter sido usada para "muitos propósitos legítimos e inteiramente adequados, sem nada a ver com vigilância".

Mas uma pessoa familiarizada com as operações do NSO que falou ao The Post sob a condição de anonimato para discutir as operações internas disse que a empresa rescindiu seu contrato com Dubai no ano passado, depois de saber da vigilância das princesas e por outras preocupações relacionadas a direitos humanos.

O cofundador e presidente-executivo da NSO, Shalev Hulio, disse no domingo ter ficado incomodado com os relatos de que o software de sua empresa foi utilizado contra jornalistas e outras pessoas, prometendo que o caso será investigado. Ele disse que a empresa encerrou dois contratos nos últimos 12 meses por questões de direitos humanos.

A NSO disse em um "Relatório de Transparência e Responsabilidade" no mês passado que a empresa desconectou cinco clientes da Pegasus desde 2016 após investigações de uso indevido, incluindo um cliente não identificado que, de acordo com uma investigação da empresa no ano passado, teria usado o sistema para "atingir um indivíduo protegido" .

Os caçadores de Latifa tinham muitas opções de perseguição e interceptação, e alguns dos apoiadores da princesa sugeriram que os membros da tripulação do Nostromo cometeram erros táticos, incluindo o envio de mensagens online durante a perseguição, o que poderia ter revelado sua localização. 

Mas os registros mostram que os telefones foram adicionados à lista em momentos críticos da busca, ressaltando como uma ferramenta de vigilância que o NSO diz ser implantada para “ajudar os governos a proteger inocentes do terror e do crime” pode ser usada para abusos. O software Pegasus permite que os operadores rastreiem a localização de um telefone hackeado, leiam suas mensagens e transformem suas câmeras e microfones em dispositivos espiões de transmissão ao vivo.

Forbidden Stories, uma organização sem fins lucrativos de jornalismo com sede em Paris, supervisionou a investigação, chamada de Projeto Pegasus, e as organizações de notícias trabalharam em colaboração para conduzir análises e reportagens adicionais. Jornalistas do jornal britânico The Guardian e do jornal alemão Süddeutsche Zeitung contribuíram com esta reportagem.

Autoridades de Dubai e dos Emirados Árabes Unidos, um aliado próximo dos EUA, não responderam aos pedidos de comentários. Previamente, eles afirmaram que não comentariam o caso dizendo se tratar de um assunto familiar. O xeque alega que o ataque ao Nostromo resgatou sua filha de um sequestro de alto escalão, embora Latifa tenha pré-gravado um vídeo explicando que ela escolheu fugir por causa de anos de opressão e abuso.

Os advogados pessoais do xeque no Reino Unido e na Alemanha enviaram cartas neste mês negando seu envolvimento em qualquer tentativa de invasão. Funcionários do Tribunal do Governante de Dubai disseram anteriormente em declarações que estão "profundamente tristes com a contínua especulação da mídia" e que Latifa está "segura e sob o cuidado amoroso de sua família".

Escapada

Olhando de fora, Latifa parecia desfrutar de uma vida de riqueza inimaginável. A princesa dos Emirados morava em um palácio na maior cidade do país e parecia livre para desfrutar de extravagâncias selvagens, incluindo cavalgar cavalos de corrida campeões e saltar de aviões.

Seu pai, um dos autocratas mais poderosos do Golfo Pérsico, presidiu a transformação de Dubai em um playground capitalista para os ultrarricos, tornando a cidade famosa por peças de exibição como a torre mais alta do mundo, o Burj Khalifa e ilhas em formato de palmeira visíveis do espaço.

Quando não estava no comando de seu império, o xeque se tornou uma estrela no mundo das corridas de cavalos puro-sangue, sendo dono de uma de suas mais prestigiadas operações de criação, e gastou muito para se retratar como um progressista em cruzada pelos direitos das mulheres e um homem de família para seus 25 filhos, três dos quais com o nome Latifa. Ele também escreveu livros, como “Reflexões sobre felicidade e positividade” e poesia, que postou em sua conta com 5,7 milhões de seguidores no Instagram.

Para Latifa, a personalidade pública de seu pai era uma mentira, ela diria no vídeo. Sua vida foi rigorosamente programada e restrita. Ela não podia dirigir ou viajar, e cada movimento seu era rastreado pelo escritório de seu pai. Seus irmãos, ela disse, viviam vidas semelhantes de maus-tratos ou negligência.

“Não há justiça aqui. Eles não se importam. Especialmente se você for mulher, sua vida é tão descartável”, disse ela. “Tudo o que importa para o meu pai é sua reputação. Ele mataria pessoas para protegê-la. Ele até queimou casas para esconder evidências."

No verão de 2000, a irmã mais velha de Latifa, Shamsa, então uma figura materna para ela, fugiu dos estábulos do xeque durante um feriado em família no Reino Unido. Por semanas, ela viveu como uma fugitiva, dormindo em um albergue em Londres e afastando a solidão ligando para amigos, de acordo com o vídeo de Latifa e a decisão da Suprema Corte divulgada no ano passado.

Logo depois, Shamsa foi sequestrada na rua em Cambridge, levada de helicóptero para a França e colocada em um jato particular de volta para Dubai, concluiu o julgamento. Latifa disse no vídeo que um dos telefones de uma amiga de Shamsa tinha sido grampeado, permitindo que seu pai soubesse onde ela estava.

Em uma carta que Shamsa enviou a um advogado de imigração e citada pelo tribunal britânico, Shamsa disse que havia sido presa e tranquilizada à força. “Eles têm todo o dinheiro, todo o poder e acham que podem fazer qualquer coisa”, escreveu ela, que não foi vista desde então.

Dois anos depois do desaparecimento de Shamsa, uma perturbada Latifa, então com 16 anos, tentou seu próprio ato. Ela ingenuamente acreditava, disse no vídeo, que poderia simplesmente cruzar a fronteira com o Omã para encontrar ajuda ou, na pior das hipóteses, ficar presa com Shamsa, que pelo menos saberia não estar sozinha.

Quando os guardas de fronteira a pegaram, disse Latifa, ela foi devolvida ao complexo de seu pai, confinada sozinha em uma sala sem janelas e submetida a "tortura constante". “Seu pai nos disse para bater em você até matá-la”, ela se lemba dos captores dizendo. “Eu não sabia quando um dia terminava e o próximo começava.”

Depois de três anos e quatro meses, ela foi libertada e passou a levar uma vida tranquila, passando os dias nas cavalariças e treinando capoeira com Tiina Jauhiainen, uma instrutora finlandesa que se tornou sua amiga.

Mas Latifa nunca parou de sonhar com uma fuga. Em 2017, Jauhiainen contou em entrevista ao Guardian em abril, ela e a princesa começaram a traçar um plano ousado, recrutando Christian Elombo, amigo e colega treinador de Jauhiainen, e Herve Jaubert, um empresário francês que fugiu de Dubai após um condenação por peculato e mudou-se para a Flórida, onde construiu submarinos.

Latifa comprometeu toda a economia de sua vida, de mais de US$ 300 mil, com o plano, disse Jauhiainen em entrevistas. E, como último recurso, ela gravou um vídeo de 40 minutos no apartamento de Jauhiainen, agendando sua publicação caso o plano falhasse.

“Se você está assistindo a isso”, disse Latifa, “ou estou morta ou em uma situação muito, muito, muito ruim”.

Assalto

No momento em que o número de Latifa foi adicionado à lista do Pegasus, ela e Jauhiainen já haviam descartado seus telefones no banheiro do La Serre, um café parisiense no centro de Dubai, e começado sua viagem condenada através do Mar da Arábia.

Alguém então acrescentou os números de Juan Mayer, um fotógrafo aéreo que costumava registrar os saltos de paraquedas de Latifa; Lynda Bouchikhi, gerente de eventos que serviu como acompanhante oficialmente sancionada de Latifa; e Sioned Taylor, outra amiga e acompanhante da princesa. Taylor, por meio de um advogado, não quis comentar. Mayer e Bouchikhi não responderam aos pedidos de comentários.

A bordo do Nostromo, um iate à vela de dois mastros com bandeira dos EUA fretado para cruzeiros de luxo pelo sudeste da Ásia, a equipe de fuga estava ficando ansiosa, disse Jauhiainen. Eles planejavam cruzar o Oceano Índico, desembarcar no Sri Lanka com vistos previamente combinados e embarcar em um voo para os Estados Unidos. Para passar o tempo, eles assistiam a filmes ruins e enviavam mensagens usando uma conexão de Internet via satélite que Jaubert prometeu ser segura.

Mas quando perderam o contato com Elombo - que sem o conhecimento deles foi preso em Omã depois de pilotar o bote de volta à costa - a equipe se dirigiu abruptamente para uma doca de apoio na costa da Índia por medo de ter sido comprometida, disse Jauhiainen. Logo, um barco da guarda costeira indiana e um avião voando baixo começaram a segui-los.

Então, uma noite, enquanto se preparavam para dormir, a equipe ouviu botas pesadas no convés superior, disse Jauhiainen. Suas cabines de repente se encheram de fumaça. Uma unidade de forças especiais indianas - apoiada por helicópteros, barcos militares e um esquadrão de soldados dos Emirados Árabes Unidos - fez uma blitz no Nostromo, gritando o nome de Latifa. Trancando-se em um banheiro, a princesa enviou a Radha Stirling, chefe do grupo de defesa de Londres Detained in Dubai, uma chamada de socorro pelo WhatsApp: "Por favor, ajude... há homens lá fora."

Enquanto a equipe observava, disse Jauhiainen, os comandos amarraram as mãos de Latifa nas costas e a arrastaram para fora do iate, as miras de laser de suas armas brilhando na escuridão.

Na semana seguinte, os apoiadores de Latifa postaram seu "último vídeo" online e preencheram relatórios de pessoas desaparecidas em agências internacionais, incluindo o FBI. Jaubert, Jauhiainen e Elombo foram interrogados por dias em Dubai e depois soltos, sem saber onde Latifa estava detida. E o tempo todo, mostram os dados vazados, os agentes continuaram a adicionar os aliados da princesa à lista.

Nos anos seguintes, a equipe de fuga se esforçou para descobrir o que deu errado. Jauhiainen questionou o uplink do iate por satélite e, em um relatório deste mês, o USA Today citou pessoas não identificadas com conhecimento da operação que disseram que o FBI ajudou no que eles acreditavam ser uma investigação de sequestro, obtendo dados de localização do provedor de Internet via satélite, Rhode Island, de base na KVH Industries. O FBI e o KVH não quiseram comentar.

Mas o iate também carregava dois telefones "queimados", de acordo com Jauhiainen, que Jaubert acredita terem sido grampeados. Latifa os havia usado para enviar e-mails, buscar ajuda no Instagram e trocar mensagens pelo WhatsApp, que processou a NSO em 2019, alegando que o grupo ajudava a espionar seus usuários.

Ela também se comunicou, disse Jauhiainen, com Taylor, cujo telefone foi adicionado à lista antes do ataque.

Exposição

A princesa Haya havia concordado por meses com a afirmação de seu marido de que Latifa era a vítima mentalmente instável de uma trama criminosa. Mas à medida que o vídeo de Latifa ganhou atenção, ela começou a questionar abertamente a linha oficial.

No final de 2018, Haya conseguiu que um médico e um psiquiatra visitassem Latifa em sua vila protegida. Quando eles não encontraram nada de errado, ela própria visitou Latifa. Latifa, Haya diria à Suprema Corte, parecia pálida e desamparada, enjaulada em um quarto "semelhante a uma prisão", soluçando que faria qualquer coisa para "retirar tudo".

Haya, filha do falecido rei Hussein de Jordan, durante anos impulsionou a imagem do xeque nos círculos sociais de elite ao desafiar as expectativas da realeza feminina: graduada em Oxford, se tornou a primeira mulher na Jordânia licenciada para dirigir caminhões pesados ​​e, em 2000, a primeira mulher árabe a saltar com cavalos nos Jogos Olímpicos de verão.

Mas o casamento deles estava se desfazendo a portas fechadas: eles não "tinham um relacionamento íntimo" há algum tempo, dizem os autos do tribunal, e Haya havia recentemente buscado um romance com um de seus guarda-costas.

O envolvimento de Haya no caso de Latifa, incluindo um pedido a um ex-comissário das Nações Unidas para ver como ela estava, levou o vínculo deles a um ponto de ruptura. O xeque ordenou que ela ficasse fora disso, disse ela ao tribunal. 

Então ela soube que os agentes de seu marido estavam arranjando para que sua filha de 11 anos se casasse com o então príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, de 33 anos. Ela encontrou notas com o aviso “sua filha é nossa” e uma pistola em sua cama. Um dos pilotos de helicóptero do xeque pousou fora de sua casa com ordens de levá-la para uma prisão no deserto, de acordo com documentos citados na decisão do tribunal britânico; o xeque, ela disse mais tarde, riu disso e disse ter se tratado de um erro. O xeque também, ela soube mais tarde, secretamente se divorciou dela no 20º aniversário da morte de seu pai - uma data, ela disse ao tribunal, que ele escolheu para maximizar o insulto.

Um ano após a fuga fracassada de Latifa, Haya encenou a sua própria. Ela voou com a filha e o filho de 9 anos para Londres, onde conseguiu um cargo na embaixada da Jordânia por acreditar que sua imunidade diplomática poderia mantê-la segura, disse ela ao tribunal.

Mas os agentes já haviam começado a tentar rastreá-la, sugerem os dados vazados. Os telefones dos principais funcionários da Quest, uma empresa de segurança privada britânica que aconselhou a princesa por anos, foram adicionados à lista: Martin Smith, o presidente-executivo da empresa, e Ross Smith, seu diretor de investigações e inteligência. A lista também tinha os números da assistente pessoal de Haya, a assistente executiva de sua casa em Dubai, e John Gosden, um treinador de cavalos que havia trabalhado com os potros de Haya.

Enquanto os advogados do xeque pressionavam a Suprema Corte para ordenar que seus filhos voltassem para Dubai, os registros vazados mostram que outros números relacionados a Haya foram adicionados na lista: as vítimas foram sua meia-irmã, a princesa Aisha bint Hussein, um membro da equipe jurídica de Haya que a aconselhava sobre a disputa de custódia, e Shimon Cohen, fundador de uma empresa de relações públicas que havia trabalhado com a empresa de segurança privada de Haya. Haya, sua equipe jurídica, os funcionários do Quest, Cohen e Gosden se recusaram a comentar o caso. A princesa Aisha não respondeu aos pedidos de comentário.

Em um possível episódio de paranóia interna, mostram os dados, alguém também adicionou à lista o número de Stuart Page, um investigador particular que há muito trabalhava em nome do xeque. Page confirmou que o número era dele, mas não quis fazer comentários.

Naquela época, o xeque publicou um poema, You Lived, You Died (Você Viveu, Você Morreu, em tradução livre), que Haya leu como uma ameaça velada: “Eu expus você e seus jogos. Eu tenho as evidências que o condenam pelo que você fez. ”

Mas a batalha pela custódia também expôs perguntas sem resposta sobre as princesas desaparecidas. Em uma declaração ao tribunal britânico, o xeque disse que Latifa estava a salvo após seu "resgate" e que Shamsa era "ainda uma criança" quando fugiu aos 19 anos. O xeque e a mãe de Shamsa "decidiram em conjunto organizar uma busca” por ela, escreveu ele, e “ quando ela foi encontrada, lembro-me de nossa sensação de alívio avassalador”. Ambas as mulheres, disse o xeque ao tribunal, não quiseram ser entrevistadas.

No ano passado, logo após a filha do ex-presidente Donald Trump, Ivanka, posar para fotos com o xeque durante uma conferência sobre igualdade de gênero em Dubai, o tribunal decidiu que o xeque havia orquestrado a campanha de intimidação contra Haya e os sequestros de Shamsa e Latifa.

O juiz, Andrew McFarlane, disse que praticamente todas as alegações de Haya foram comprovadas, exceto pelo "boato" sobre o príncipe herdeiro saudita. (As autoridades sauditas não responderam aos pedidos de comentários.) Quanto a Latifa, escreveu McFarlane, ela estava “claramente desesperada para se livrar de sua família e preparada para empreender uma missão perigosa” para fazê-lo.

Para os apoiadores das princesas, o julgamento foi apenas uma vitória simbólica. Embora Haya e seus filhos permaneçam em Londres, a batalha pela custódia continua e a decisão mudou pouco sobre o estado precário de Shamsa e Latifa em Dubai.

No início deste ano, amigos de Latifa entregaram à BBC vários vídeos que ela gravou secretamente em um telefone contrabandeado, nos quais ela disse que estava sendo mantida como "refém" em uma vila por guardas que disseram que ela "nunca mais veria o sol". “Todos os dias me preocupo com minha segurança e minha vida”, disse ela. Seus vídeos e mensagens pararam abruptamente no ano passado. Em abril, dois meses após a reportagem da BBC, funcionários da ONU exigiram que os Emirados Árabes Unidos fornecessem evidências de que ela estava viva e bem.

Então, de repente, em maio, após meses de silêncio, Latifa reapareceu. Em três fotos postadas no Instagram durante um período de quatro dias, Latifa foi flagrada tendo uma “noite adorável” em um shopping de Dubai, comendo “comida adorável” perto do Burj Khalifa e “desfrutando de um jantar” com um amigo de Dubai.

Duas das fotos foram postadas por Sioned Taylor e uma também mostrava Lynda Bouchikhi. Os números das duas mulheres foram acrescentados à lista antes do ataque ao Nostromo, mostram os dados. Latifa não postou nenhuma foto dela. Taylor não quis comentar.

O escritório de advocacia Taylor Wessing, que afirma representar Latifa, também começou a enviar cartas exigindo que os amigos de Latifa e membros da campanha Latifa Livre parassem de falar sobre ela na mídia, dizendo que seus comentários causaram angústia à princesa.

Em um comunicado atribuído a Latifa, a empresa relatou que ela disse que pode “viajar para onde eu quiser”, acrescentando: “Espero agora poder viver minha vida em paz”.

Um advogado da firma disse que Latifa recusou um pedido do Post para ser entrevistada por telefone ou vídeo, oficialmente ou sob condição de anonimato. O advogado disse que Latifa havia lido as perguntas de um repórter do Post, mas não queria falar sobre seu passado e buscava apenas seguir em frente com uma vida tranquila. O advogado recusou-se a fornecer quaisquer detalhes sobre sua contratação legal, citando a confidencialidade do cliente.

No mês passado, Taylor postou uma foto em um terminal de aeroporto. Latifa segurava o que pareciam ser documentos de embarque. 

“Grande feriado europeu com Latifa”, dizia a legenda. “Estamos nos divertindo explorando!”

Nenhuma outra foto de Latifa apareceu desde então.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.