Como se desenvolveu o esforço de Trump para tentar reverter a eleição, segundo o 'NYT'

Investigação do jornal americano mostra como ex-presidente empreendeu uma campanha extralegal que convenceu dezenas de milhões de americanos e tornou o ataque ao Capitólio quase inevitável

Matthew Rosenberg e Jim Rutenberg, The New York Times

02 de fevereiro de 2021 | 07h00

Durante 77 dias entre a eleição e a posse, o presidente Donald Trump tentou subverter a democracia americana com uma mentira sobre fraude eleitoral que vinha preparando há anos.

Uma investigação do jornal The New York Times mostra como o presidente – capacitado por líderes republicanos, aconselhado por advogados conspiradores e financiado por uma nova classe de doadores – empreendeu uma campanha extralegal que convenceu dezenas de milhões de americanos de que a eleição foi roubada e tornou a invasão do Capitólio quase inevitável.

Entrevistas com atores centrais, junto com documentos, vídeos e e-mails inéditos, contam a história de uma campanha que foi mais coordenada do que se imaginava, ainda que se afastasse da realidade a cada dia que passava.

Aqui estão algumas conclusões principais:

Enquanto alguns advogados da equipe de Trump recuavam, outros estavam prontos para avançar com os processos que patinavam nas linhas de ética legal e razão

Dez dias após a eleição, mesmo quando Trump e seus apoiadores promoveram alegação após alegação de fraude eleitoral, sua equipe de advogados eleitorais sabia que a realidade era o inverso do que Trump estava apresentando: eles não estavam encontrando evidências substanciais de prevaricação ou irregularidades suficientes para derrubar a eleição.

Essa realidade foi esclarecida em 12 de novembro, quando os resultados do Arizona mostraram que Joe Biden tinha uma vantagem irreversível de mais de 10 mil votos, o que tornou o principal processo da equipe jurídica naquele Estado – que identificou 191 cédulas para contestar – discutível.

Em uma reunião do Salão Oval naquele dia, os advogados eleitorais enfrentaram o advogado pessoal do presidente, Rudolph W. Giuliani, por suas táticas jurídicas questionáveis e pela difusão de teorias da conspiração (uma delas dizia que as máquinas de votação Dominion haviam transformado os votos de Trump em votos de Biden).

Trump decidiu dar a Giuliani a liderança de toda sua estratégia legal. Em 12 de novembro, os esforços de Trump para reverter sua derrota nos tribunais foram transformados em uma campanha extralegal que visava desrespeitar milhões de eleitores com base na falsa noção de fraude generalizada.

Teorias da conspiração sobre a urna eleitoral se entrelaçaram com uma história de supercomputador divulgada na mídia conservadora

A teoria da conspiração do Dominion se enraizando entre o presidente e muitos de seus partidários demorou semanas para ser construída. No final de outubro, um obscuro site conservador, The American Report, divulgava histórias sobre um supercomputador chamado The Hammer, que supostamente estaria rodando um software chamado Scorecard para roubar votos de Trump.

A teoria foi ampliada um dia antes da eleição no podcast do ex-estrategista político de Trump, Stephen K. Bannon, que convidou dois proponentes da teoria para falar sobre ela: Thomas McInerney, um tenente-general aposentado da Força Aérea que já havia sido banido da Fox News por mentir sobre o histórico do senador John McCain como prisioneiro de guerra no Vietnã e Sidney Powell, um advogado que se tornaria um dos defensores mais controversos e desenfreados de Trump.

Trump foi capacitado por influentes republicanos motivados pela ambição, medo ou uma crença equivocada de que ele não iria longe demais.

Trump conseguiu espaço para governar com ajuda de republicanos importantes, especialmente o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, que tomou a decisão antecipada de se juntar a outros membros do partido para quebrar a tradição de reconhecer o vencedor após as principais redes de televisão e a agência Associated Press o fazerem.

McConnell temia alienar um presidente de cuja ajuda ele precisava em duas disputas pelo Senado da Geórgia que decidiriam seu controle da Câmara. Ele também acatou as garantias equivocadas de assessores da Casa Branca, como Jared Kushner, de que Trump acabaria cedendo à realidade, disseram ao Times pessoas próximas ao senador. Seu reconhecimento posterior da vitória de Biden não seria suficiente para impedir que 14 senadores republicanos se unissem a um esforço tardio para anular milhões de votos dos americanos antes de 6 de janeiro.

O processo do Texas que desafia os resultados das eleições em 4 Estados de batalha foi elaborado por escritores-fantasma

A ação do procurador-geral da Suprema Corte do Texas, que busca eliminar 20 milhões de votos em quatro Estados de batalha vencidos por Biden, foi redigida secretamente por advogados próximos à Casa Branca, concluiu o Times. Dois terços dos procuradores-gerais republicanos do país, 18 ao todo, se juntariam a um amigo da corte, mas somente depois que altos funcionários em vários de seus escritórios levantaram bandeiras vermelhas.

“É mais provável que o tribunal negue isso em uma sentença”, escreveu o procurador-geral adjunto de Dakota do Norte, James E. Nicolai, em um e-mail para seu chefe.

Em 11 de dezembro, o tribunal fez exatamente isso, decidindo que o Texas não tinha o direito de contestar os votos de outros Estados. Três dias depois, o Colégio Eleitoral afirmou a vitória de Biden.

A mentira foi impulsionada por novos e mais radicais advogados e financistas

Em uma reunião na Casa Branca quatro dias depois, Trump se encontrou com Powell e dois associados proeminentes: o ex-presidente-executivo da Overstock.com, Patrick Byrne, que estava financiando sua própria equipe de “ciberescritores” para ajudar a provar a fraude eleitoral, e Michael T. Flynn, o desonrado e recentemente perdoado ex-conselheiro de segurança nacional que já havia levantado publicamente a ideia de que Trump deveria declarar a lei marcial. A sessão terminou em uma disputa de gritos entre os três e os membros da equipe de Trump na Casa Branca, incluindo seu advogado da Casa Branca, Pat Cipollone.

“Foi realmente muito perto de briga”, Byrne lembrou no programa Operação Liberdade no YouTube.

Por fim, Trump concordou em se concentrar em uma meta diferente: bloquear a certificação dos resultados pelo Congresso em 6 de janeiro.

'Women for America First', um grupo pouco conhecido, mas altamente organizado, ajudou a construir uma coalizão

Com a atenção voltada para as declarações diárias do presidente e manobras subversivas, um grupo de ativistas – pouco conhecido, mas cada vez mais influente – estava indo de cidade em cidade em um ônibus MAGA (Make America Great Again, o slogan de Trump) vermelho, realizando comícios para pressionar senadores importantes a contestar a votação. A excursão de ônibus foi organizada por um grupo chamado Women for America First.

O grupo ajudaria a construir uma coalizão trumpista que incluía membros titulares e novatos do Congresso, eleitores comuns, extremistas “descontinuados” e teóricos da conspiração, promovidos em uma versão inicial da página Trump March – desde então excluída, mas encontrada por meio do Internet Archive – incluindo o nacionalista branco Jared Taylor, proeminentes líderes do QAnon e o líder dos Proud Boys, Enrique Tarrio.

O Women for America First tinha vários laços com o presidente e com pessoas próximas a ele. Sua líder, Amy Kremer, foi uma das principais organizadoras da era do Tea Party e uma das primeiras apoiadoras de Trump, tendo iniciado um super comitê de ação política do Women for Trump em 2016. E duas das organizadoras do grupo tinham seus próprios laços importantes. Uma, Jennifer Lawrence, conheceu Trump por meio de seu pai, que tinha feito negócios com ele; outro, Dustin Stockton, tinha credibilidade na comunidade de direitos sobre armas como coordenador da Gun Owners of America. Ambos trabalharam com Bannon também.

Entre os patrocinadores da excursão de ônibus estavam Bannon e Mike Lindell, o fundador do MyPillow, que diz ter gasto US$ 2 milhões até agora investigando urnas eletrônicas e interferência estrangeira. Lindell, junto com Byrne, fez parte de uma mudança que estava ocorrendo no Partido Republicano quando os doadores tradicionais se retiraram do que se tornou um ataque aberto ao sistema democrático e novos doadores se ergueram para financiar a narrativa da eleição roubada.

O comício de 6 de janeiro se tornou efetivamente uma produção da Casa Branca

O grupo Women for America First foi o organizador original do comício de 6 de janeiro em Washington. Mas, na virada do ano, Trump decidiu se juntar ao comício, e o evento efetivamente se tornou uma produção da Casa Branca, com várias pessoas próximas à administração e à campanha de Trump se juntando à equipe.

A ex-conselheira de campanha de Trump, Katrina Pierson, foi a ligação com a Casa Branca, disse um ex-funcionário do governo. E o presidente discutiu a escalação das palestras, bem como a música a ser tocada, segundo uma pessoa com conhecimento direto das conversas.

Stockton, o organizador da excursão de ônibus, disse que ficou surpreso ao saber que o protesto incluiria uma marcha do The Ellipse ao Capitólio. Essa marcha – o prelúdio da rebelião – não era o plano antes de a Casa Branca se envolver. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.