Como se lembrar de tantos candidatos

Recorremos a artifícios mnemônicos para a série de nomes de democratas e republicanos disputando a Casa Branca

ALEXANDRA PETRI , O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2015 | 02h04

Hoje, somos todos Rick Perry. Ao menos à medida que estamos diante de uma lista que tem itens demais para nos lembramos com tranquilidade e conveniência. A lista é a de candidatos para 2016. Criei alguns artifícios mnemônicos que poderão ser úteis, ou não.

Candidatos democratas: a verdadeira tarefa deste lado do corredor é se lembrar de que pessoas que não são Hillary Clinton também estão concorrendo. É difícil se lembrar disso. Lincoln Chafee quer que usemos o sistema métrico, por isso, será que podemos realmente descartá-lo (em inglês "rule it out", um trocadilho com "rule", régua)? Este seria um bom slogan para Chafee, se alguém soubesse que ele está na corrida.

Seria muito mais provável lembrar-se de que Martin O'Malley está concorrendo se ele tivesse se dedicado mais cedo a tatuagens e mercadorias com tema MO'M, mas, infelizmente, ele não o fez. "Martin O'Malley - você já poderia ter as iniciais dele tatuadas em seu bíceps!" teria funcionado bem.

Bernie Sanders conseguiu realmente convencer pessoas de que ele existe, um feito notável, mas eu ainda preferiria algum tipo de slogan parecido com o da KFC, como "Sanders - ele não é nenhum chicken!" (em inglês, "chicken" significa tanto frango como covarde).

Um bom elemento mnemônico sugerido por uma fonte que decididamente, em nenhum momento, tentou me laçar foi "Hillary! Hillary. Não tem mais ninguém concorrendo".

Candidatos republicanos: 1) Canção com melodia de Frère Jacques: Christie Perry, Christie Perry, Paul Bush Cruz, Paul Bush Cruz, Carson Fiorina, Carson Fiorina, Rubio (Infelizmente, esta é apenas metade do campo, mas vocês podem fazer a outra metade também com um pequeno truque de prestidigitação). Trump Santorum, Trump Santorum, Huckabee, Huckabee, Jindal Graham Pataki, Jindal Graham Pataki, Walker Soon.

2) "BCCCFHGJPPPRST!" que é também convenientemente o som que sua cabeça faz batendo na mesa depois de ver todos esses nomes.

3)Agrupando: seu cérebro aparentemente se lembra melhor de coisas em grupos, razão pela qual mantemos nossos números telefônicos naquelas séries práticas de três ou quatro dígitos. Quem está brincando? A última vez que me lembrei de um número telefônico foi no fim dos anos 90. Sendo assim, que tal: Triplo-C, Triplo-P, BF-GH-RST! E Jindal!

4) Visualização: Imagine uma banheira de água quente. Agora imagine as 14 pessoas que você menos gostaria que entrassem nela com você.

5) Trauma: Uma boa maneira de ser levemente traumatizado por algum dos candidatos a ponto de poder se lembrar dele é ligar a televisão e ver quantos deles estão lá. Não é verdade que experiências traumáticas ajudam a se lembrar de coisas?

6) Casa da Memória: Aparentemente, essa é uma técnica que as pessoas usam para se lembrar de coisas. Imagine que está caminhando pela Casa Branca. Agora, Carly Fiorina salta na sua frente saindo de trás de uma samambaia! Oh não, aí vem Rand Paul e ele está segurando um maçarico! Você se esgueira pelo hall e lá está Mike Huckabee com um candelabro. Quando você foge dele, chega Rick Santorum escorregando pelo corrimão da escada. E quem é aquele tentando se fundir com um retrato de Thomas Jefferson? É Marco Rubio? Não, é Jeb Bush! Você passa pelo que pensava ser um cavaleiro de armadura, mas o visor se abre e Ted Cruz espia para fora. De repente, morcegos! Você os afugenta e vê Donald Trump sair voando para a noite.

Como, ainda sobraram seis candidatos? Você não pode mais fazer isso. A tragédia ficou ainda maior quando Scott Walker entrou na disputa, na segunda-feira, e este recurso mnemônico ficou completamente obsoleto. Suspiro... / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

* É JORNALISTA

 

Tudo o que sabemos sobre:
Visão Global

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.