Carlo Allegri/Reuters
Carlo Allegri/Reuters

Como Steve Bannon e um bilionário chinês criaram uma 'estrela' da direita na mídia com o coronavírus

Da noite para o dia, a pesquisadora Li-Meng Yan se tornou uma sensação da mídia de direita, com os principais conselheiros do presidente Donald Trump e especialistas conservadores a aclamando como uma heroína

Amy Qin, Vivian Wang e Danny Hakim / The New York Times, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2020 | 12h15

NOVA YORK - A pesquisadora chinesa Li-Meng Yan queria permanecer anônima. Era janeiro e Yan, uma cientista de Hong Kong, vinha ouvindo rumores sobre um novo vírus perigoso na China continental que o governo estava minimizando. Aterrorizada por sua segurança pessoal e carreira, ela procurou seu apresentador chinês favorito no YouTube, conhecido por criticar o governo chinês.

Em poucos dias, o anfitrião disse a seus 100 mil seguidores que o coronavírus havia sido deliberadamente liberado pelo Partido Comunista Chinês. Ele não quis divulgar o nome da denunciante porque, segundo ele, as autoridades poderiam fazer a pessoa "desaparecer".

Em setembro, Yan havia abandonado a cautela. Já nos Estados Unidos, ela apareceu na Fox News fazendo a alegação infundada para milhões de pessoas de que o coronavírus era uma arma biológica fabricada pela China.

Da noite para o dia, Yan se tornou uma sensação da mídia de direita, com os principais conselheiros do presidente Donald Trump e especialistas conservadores a aclamando como uma heroína. Quase tão rapidamente, sua entrevista foi rotulada nas redes sociais como contendo “informações falsas”, enquanto os cientistas rejeitaram sua pesquisa como uma polêmica disfarçada de jargão.

Sua evolução foi o produto de uma colaboração entre dois grupos separados, mas cada vez mais aliados, que vendem desinformação: um pequeno, mas ativo grupo da diáspora chinesa e a altamente influente extrema direita nos EUA.

Cada um viu uma oportunidade na pandemia de promover sua agenda. Para a diáspora, Yan e suas reivindicações infundadas forneceram um golpe para aqueles que pretendiam derrubar o governo da China. Para os conservadores americanos, elas ajudavam com o crescente sentimento anti-chinês e se distraíam da gestão desastrada do surto pelo governo Trump.

Ambos os lados aproveitaram a escassez de informações vindas da China, onde o governo se recusou a compartilhar amostras do vírus e resistiu a uma investigação independente e transparente. O acobertamento inicial do surto alimentou ainda mais as suspeitas sobre as origens do vírus.

Um grande número de evidências mostra que o vírus quase certamente se originou em um animal, provavelmente em um morcego, antes de evoluir para dar o salto para os humanos. Embora as agências de inteligência dos EUA não tenham descartado a possibilidade de um vazamento de laboratório, elas não encontraram nenhuma prova para apoiar essa teoria.

A trajetória de Yan foi cuidadosamente elaborada por Guo Wengui, um bilionário chinês fugitivo, e Steve Bannon, um ex-conselheiro de Trump.

Eles colocaram Yan em um avião para os Estados Unidos, deram a ela um lugar para ficar, treinaram-na em aparições na mídia e ajudaram-na a conseguir entrevistas com apresentadores de televisão conservadores populares como Tucker Carlson e Lou Dobbs, que têm programas na Fox News. 

Eles alimentaram sua crença aparentemente profunda de que o vírus foi geneticamente modificado, aceitando de forma acrítica o que ela forneceu como prova. “Eu disse desde o primeiro dia, não há conspirações”, disse Bannon em uma entrevista. “Mas também não há coincidências.”

Bannon observou que, ao contrário de Yan, ele não acreditava que o governo chinês "fizesse isso de propósito". Mas ele defendeu a teoria sobre um vazamento acidental de pesquisas de laboratório arriscadas e tem a intenção de criar um debate sobre as origens do novo coronavírus. “A doutora Yan é uma pequena voz, mas pelo menos ela é uma voz ", disse ele.

Os meios de comunicação que atendem à diáspora chinesa - uma confusão de sites independentes, canais do YouTube e contas do Twitter com tendências anti-Pequim - formaram uma câmara de eco de rápido crescimento para desinformação. Com poucas fontes confiáveis ​​de notícias em chinês para checar os fatos, os rumores podem rapidamente se tornar uma realidade distorcida. Cada vez mais, eles estão se alimentando e sendo alimentados pela mídia de extrema direita americana.

Wang Dinggang, o apresentador do YouTube contatado por Yan e um associado próximo de Guo, parece ter sido o primeiro a semear rumores relacionados a Hunter Biden, filho do presidente eleito Joe Biden. Um site de propriedade de Guo ampliou as alegações infundadas sobre o envolvimento de Hunter Biden em uma conspiração de abuso infantil. Eles foram adquiridos por Infowars e outros estabelecimentos periféricos dos EUA. Bannon, Wang e Guo agora estão promovendo a falsa ideia de que a eleição presidencial foi fraudada.

As grandes empresas de tecnologia começaram a recuar, à medida que o Facebook e o Twitter tentam melhorar o conteúdo. O Twitter baniu permanentemente uma das contas de Bannon por violar suas regras de glorificação da violência depois que ele sugeriu em seu podcast que o diretor do FBI e Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas do país, deveriam ser postos em alerta.

Mas essa notoriedade mainstream apenas reforçou suas credenciais anti-establishment. O número de seguidores de Wang no YouTube quase dobrou desde janeiro. O tráfego de dois dos sites de Guo disparou para mais de 135 milhões no mês passado, ante menos de 5 milhões de visitas em dezembro passado, de acordo com a SimilarWeb, um provedor de dados online. Muitos conservadores que afirmam que o Facebook e o Twitter censuram vozes de direita estão migrando para novas plataformas de mídia social, como Parler - e Yan, Wang e Guo já se juntaram a eles.

Yan, por meio de representantes de Bannon e Guo, recusou vários pedidos de entrevista. O mesmo fez Wang, citando a "reputação de notícias falsas" do The New York Times.

Em uma declaração enviada por meio de um advogado, Guo disse que só havia oferecido "incentivo" aos esforços de Yan "para se levantar contra a máfia do PCC (Partido Comunista Chinês) e contar ao mundo a verdade sobre a covid-19". “Eu ficaria feliz em ajudar outras pessoas que buscam dizer a verdade ao mundo”, disse ele.

Encontrar uma plataforma

Quando o ano novo começou, Wang estava fazendo o que fazia de melhor: atacar o Partido Comunista Chinês no YouTube. Ele protestou contra a repressão da China aos muçulmanos e pontificou a guerra comercial dos EUA.

Então, em 19 de janeiro, ele repentinamente mudou para o surto emergente na cidade chinesa de Wuhan. Foi no início da crise, antes do bloqueio na cidade, antes que a China divulgasse que o vírus estava se espalhando entre os humanos, antes que o mundo prestasse atenção.

Em um programa de 80 minutos dedicado a um denunciante não identificado, Wang disse que ouviu falar do "maior especialista em coronavírus do mundo", que lhe disse que a China não estava sendo transparente. “Acho isso muito verossímil e assustador”, disse ele.

Wang, que era um empresário na China antes de se mudar para os Estados Unidos por razões desconhecidas, faz parte de um grupo crescente de comentaristas que surgiu na internet em língua chinesa. Seus programas, que misturam erudição, análise séria e boatos diretos, atendem a uma diáspora que muitas vezes não confia na mídia estatal chinesa e tem poucas fontes confiáveis ​​de notícias em seu idioma nativo.

Desde que começou seu programa há vários anos, Wang, que transmite sob o nome de Lu De, emergiu como uma das personalidades mais populares do gênero, em parte por sua adoção de teorias bizarras. Ele acusou as autoridades chinesas de usarem "sexo e sedução" para prender os inimigos e pediu ao público que guardasse comida em preparação para o colapso do Partido Comunista.

Seu programa de janeiro sobre o denunciante anônimo combinou os mesmos elementos de fato e ficção. Ele ligou para sua fonte, que mais tarde revelou ser Yan, a especialista, mas exagerou muito suas credenciais.

Ela havia estudado a gripe antes do surto, mas não os coronavírus. Ela trabalhou em um dos melhores laboratórios de virologia do mundo, na Universidade de Hong Kong, mas era bastante nova no campo e foi contratada por sua experiência com animais de laboratório, de acordo com dois funcionários da universidade que a conheciam. Ela ajudou a investigar o novo surto, mas não supervisionou o esforço.

O episódio chamou a atenção de Bannon, que disse ter começado a se preocupar com o vírus quando a China começou a fechar as portas. Alguém, ele não disse quem, apontou o programa e o traduziu.

Poucos meses depois, Wang de repente disse a Yan para fugir de Hong Kong para sua segurança, explicou ele em transmissões posteriores. Guo, seu patrono principal, pagou para ela voar de primeira classe, acrescentou.

Em 28 de abril, Yan saiu silenciosamente para o aeroporto. Sua família e amigos entraram em pânico, mas não conseguiram alcançá-la, disse Jean-Marc Cavaillon, professor aposentado de imunologia do Instituto Pasteur em Paris que conhece Yan desde 2017. Um relatório de desaparecimento foi feito em Hong Kong.

Duas semanas depois, ela reapareceu nos Estados Unidos. “Atualmente estou em Nova York, muito segura e relaxada” com os “melhores guarda-costas e advogados”, Yan escreveu no WeChat, em uma captura de tela vista pelo Times. “O que estou fazendo agora é ajudar o mundo inteiro a controlar a pandemia.”

Uma reforma da mídia

Depois que Yan chegou aos Estados Unidos, Bannon, Guo e seus aliados começaram imediatamente a prepará-la como uma denunciante que eles poderiam vender ao público americano.

Eles a instalaram em uma “casa segura” fora da cidade de Nova York e contrataram advogados, disse Bannon. Eles  contrataram uma treinadora de mídia, já que o inglês não é sua primeira língua. Bannon também pediu a ela que apresentasse vários documentos resumindo suas supostas evidências, disse Yan mais tarde.

“Certifique-se de que você pode conduzir as pessoas por isso logicamente”, Bannon se lembra de ter dito a ela.

Bannon e Guo estão em uma missão há anos, como eles dizem, para derrubar o Partido Comunista Chinês.

Guo, que também atende por Miles Kwok, era um magnata na China com ligações com altos funcionários do partido até que fugiu do país cerca de cinco anos atrás, sob a sombra de alegações de corrupção. Desde então, ele se autodenomina um lutador pela liberdade, embora muitos sejam céticos quanto às suas motivações.

Os bolsos fundos de Guo e a extensa rede de Bannon deram a eles uma plataforma influente. Os dois homens criaram um fundo de US$ 100 milhões para investigar a corrupção na China. Eles espalharam teorias de conspiração sobre a morte acidental de um magnata chinês na França, chamando-o de um suicídio falso orquestrado por Pequim.

No fim de janeiro, ambos estavam intensamente focados no surto na China.

Bannon mudou seu podcast para o coronavírus. Ele o chamava de “vírus chinês” muito antes de Trump começar a usar rótulos xenófobos para a pandemia. Ele convidou críticos ferozes da China para o show para discutir como o surto exemplificou a ameaça global representada pelo Partido Comunista Chinês.

Guo começou a alegar que o vírus era um ataque ordenado pelo vice-presidente da China. Ele divulgou as mesmas afirmações sobre sua operação de mídia, que inclui a GTV, uma plataforma de vídeo, e o GNews, um site que apresenta uma cobertura brilhante de Guo e seus associados. Ele lançou uma música chamada Take Down the CCP, que alcançou brevemente o primeiro lugar no ranking do iTunes da Apple.

Os homens continuaram a visar o governo chinês, mesmo enquanto lutam contra seus próprios problemas legais. Guo está supostamente sob investigação pelas autoridades federais dos EUA por causa de táticas de arrecadação de fundos em sua empresa de mídia. Bannon, que foi preso neste verão no iate de Guo, está enfrentando acusações de fraude por uma organização sem fins lucrativos que ele ajudou a construir para viabilizar um muro ao longo da fronteira mexicana.

Em Yan, os dois homens encontraram o rosto ideal para a campanha.

Em 10 de julho, ela revelou sua identidade pela primeira vez em uma entrevista de 13 minutos no site Fox News. Ela disse que o governo chinês ocultou evidências da transmissão do vírus de pessoa para pessoa. Ela acusou, sem provas, professores da Universidade de Hong Kong de auxiliar no encobrimento (A universidade rapidamente rejeitou suas acusações classificando-as como "boato").

Após a primeira entrevista à Fox, Yan embarcou em uma turnê turbulenta pela mídia de direita, ecoando pontos de discussão conservadores. Ela disse que tomou hidroxicloroquina para afastar o vírus, embora a FDA (agência regulatória de remédios e alimentos) tivesse alertado que o tratamento não era eficaz. Ela sugeriu que a Organização Mundial da Saúde (OMS) estava ajudando a encobrir o surto.

Essas entrevistas foram ampliadas por contas de mídia social proclamando fidelidade a Guo. Eles traduziram suas aparições para o chinês, depois postaram várias versões no YouTube e retuitaram postagens de outras contas pró-Guo.

Tornando-se mainstream

No início de setembro, Yan se encontrou com Daniel Lucey, um especialista em doenças infecciosas da Universidade de Georgetown que havia sugerido a possibilidade de o vírus ser produto de um experimento de laboratório. Lucey disse que os associados de Yan, que organizaram a reunião, queriam encontrar um cientista confiável para endossar suas afirmações. “Esse foi o único motivo para me levar lá”, disse ele.

Por mais de quatro horas, Yan discutiu sua experiência e pesquisa, enquanto um de seus associados, a quem Lucey se recusou a nomear, entrava e saía impacientemente da sala. Ele disse que Yan parecia genuinamente acreditar que o vírus havia sido transformado em arma, mas teve dificuldade em explicar o porquê.

No final, o associado perguntou a Lucey se ele achava que Yan tinha uma “arma fumegante”. Quando Lucey disse não, a reunião terminou rapidamente.

Dias depois, Yan lançou um artigo de pesquisa de 26 páginas que ela disse provar que o vírus foi fabricado. Ele se espalhou rapidamente online.

O artigo, que não foi revisado por pares ou publicado em uma revista científica, foi postado em um repositório online de acesso aberto. Foi apoiado por duas organizações sem fins lucrativos financiadas por Guo. Os três outros co-autores do artigo eram pseudônimos por razões de segurança, de acordo com Bannon.

Os virologistas rapidamente acusaram o artigo como "pseudociência" e "baseado em conjecturas". Alguns temiam que o artigo - repleto de gráficos e jargão científico, como “local exclusivo de clivagem de furin” e “encadernação RBM-hACE2” - emprestaria a suas reivindicações um verniz de credibilidade.

Carlson perguntou se Yan acreditava que as autoridades chinesas haviam liberado o vírus intencionalmente ou por acidente. Yan não hesitou. "É claro que intencionalmente", disse ela.

Vídeo se tornou viral

As imagens da entrevista geraram pelo menos 8,8 milhões de visualizações online, embora o Facebook e o Instagram tenham sinalizado como informações falsas. Conservadores de alto nível, incluindo a senadora Marsha Blackburn (republicana) compartilharam no Twitter. Quando o reverendo Franklin Graham, o defensor evangelista de Trump, postou sobre Yan no Facebook, ele se tornou o link mais compartilhado postado por uma conta do Facebook nos Estados Unidos naquele dia.

Lou Dobbs, outro apresentador da Fox, tuitou um vídeo dele e de um convidado discutindo o "grande caso" de Yan. Trump retuitou.

Yan foi recebida por um público já preparado para ouvir suas afirmações. Uma pesquisa de março descobriu que quase 30% dos americanos acreditam que o vírus provavelmente foi feito em um laboratório.

“Depois que Tucker Carlson pega, não é mais marginal”, disse Yotam Ophir, um professor da Universidade de Buffalo que estuda desinformação. “Agora é mainstream.” A Fox News não quis comentar. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.