Como terminar a guerra

THOMAS L.

O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2014 | 02h02

FRIEDMAN

THE NEW YORK TIMES

Esta é uma geração de líderes árabes, palestinos e israelenses especializados em construir túneis e muros. Nenhum deles pensou em erguer pontes e portas. Na sexta-feira refleti sobre como tanta criatividade tem sido usada numa guerra e o quão pouco é aplicada para se fazer a paz. Israel desenvolveu um sistema de interceptação de foguetes que imediatamente calcula se um foguete do Hamas atingirá uma área urbanizada em Israel ou se cairá no mar ou no deserto, evitando assim gastar US$ 50 mil num interceptor. Se o governo israelense tivesse aplicado esta mesma engenhosidade para tentar forjar um acordo com a moderada Autoridade Palestina na Cisjordânia, o Hamas estaria muito mais isolado hoje - não Israel.

O Hamas, por seu lado, usando picaretas, pás e furadeiras, desenvolveu um labirinto de túneis em Gaza sob o nariz de Israel. Se o grupo, que só tem trazido ruína para a população de Gaza, tivesse aplicado a mesma criatividade para construir na superfície, teria criado a maior empresa de construção do mundo árabe nos dias atuais, e mais escolas.

Mesmo antes de um cessar-fogo estável, autoridades de Israel e da AP vêm discutindo os princípios de um acordo duradouro para Gaza. Como Egito, Jordânia, Arábia Saudita e Emirados Árabes odeiam o Hamas - por seus vínculos com a Irmandade Muçulmana - tanto quanto Israel, há potencial para um acordo para Gaza que de fato mobilize árabes moderados, palestinos e Israel. Mas exigirá que Israel, Hamas e EUA eliminem velhas regras sobre quem não deve falar com quem.

Eis a razão: O Hamas é um terrível inimigo de Israel e não deve suspender esta guerra sem um acordo que encerre o bloqueio de Gaza. Israel não deve também terminar a guerra sem ter eliminado o maior número de túneis do Hamas e instalar no local um regime para desmilitarizar Gaza e impedir a importação de novos foguetes.

Como nem Israel ou Egito querem dominar Gaza, a única chance de as metas serem adotadas é se a AP for convidada a ir a Gaza (da qual foi expulsa em 2007). E, como explicou-me um dos principais assessores do presidente Mahmoud Abbas, Yasser Abed Rabbo, isso só ocorrerá se os palestinos formarem um governo de unidade nacional com o Hamas e Israel concordar em retomar as negociações com esse governo sobre o fim da ocupação da Cisjordânia. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É COLUNISTA E ESCRITOR

Artigo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.