Suliman el-Oteify/AP
Suliman el-Oteify/AP

Proprietária do avião que caiu no Egito devia dois meses de salários aos funcionários

Atraso foi descoberto em investigação iniciada após o acidente de sábado, que matou todas as 224 pessoas a bordo

O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2015 | 15h25

MOSCOU - A companhia aérea russa Metrojet, nome comercial da empresa Kogalymavia, proprietária do Airbus A321 que caiu sábado no Egito com 224 pessoas a bordo, devia dois meses de salários aos seus funcionários, informou nesta segunda-feira, 2, o Serviço Federal de Trabalho da Rússia, Rostrud.

Um porta-voz do Rostrud confirmou à agência Ria Novosti que o atraso foi descoberto na investigação iniciada após o acidente.

"Estamos determinando a quanto chega a dívida total", assinalou o porta-voz.

A investigação também vai checar se as normas de segurança do trabalho estavam sendo respeitadas, como condições de descanso e exames médicos e psicológicos dos pilotos".

Vsevolod Bukolov, que lidera a investigação, assinalou que, "caso sejam encontradas irregularidades no cumprimento das normas trabalhistas, os culpados serão responsabilizados".

A Kogalymavia iniciou suas operações em 1993 e desde 2005 realizava principalmente voos fretados para destinos turísticos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.