Companhias aéreas barram viagem de ativistas a Israel

Companhias aéreas da Europa cancelaram as passagens de um número não especificado de passageiros que planejavam viajar para Israel, para participar de um evento pró-Palestina. As forças de segurança israelenses começaram a se preparar na semana passada para a chegada de centenas de ativistas que pretendem visitar a Cisjordânia.

AE, Agência Estado

14 de abril de 2012 | 19h14

Hoje, a francesa Air France e a britânica Jet2.com confirmaram que se juntaram à alemã Lufthansa e cancelaram as passagens de algumas pessoas em voos com destino a Tel Aviv. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, orientou os ativistas a se concentrarem na resolução de "problemas reais" da região, como a revolta na Síria e o programa nuclear do Irã.

"Nós apreciamos que vocês tenham escolhido Israel como objeto das suas preocupações humanitárias. Mas sabemos que existem muitas outras opções dignas. Vocês poderiam ter escolhido protestar contra a brutal repressão do regime iraniano contra dissidentes e o apoio ao terrorismo em todo o mundo", afirmou Netanyahu em uma carta aberta divulgada pela seu gabinete. Segundo ele, Israel é a única democracia do Oriente Médio, "onde as mulheres recebem tratamento igual, organizações de direitos humanos podem trabalhar livremente e a liberdade religiosa é protegida para todos".

A chamada campanha "Bem-vindo à Palestina" ocorre pelo terceiro ano consecutivo. Os organizadores da manifestação na Cisjordânia dizem que querem tornar público o controle de Israel sobre a movimentação dentro e fora do território palestino, além de incentivar a solidariedade com o povo da região. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinaativistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.