Companhias de cruzeiros mudam trajetos devido ao ebola

Diversas linhas de cruzeiros mudaram seus itinerários devido a preocupações em relação à contaminação pelo ebola. Elas cancelaram pontos de parada na África Ocidental. A companhia Holland America vai substituir três portos em Gana, Gâmbia e Senegal na linha de cruzeiro que vai de Cape Town, na África do Sul, para Southampton, na Inglaterra.

Estadão Conteúdo

06 de outubro de 2014 | 19h38

O site Cruise Critic informou que as companhias Regent Seven Seas, Seabourn e Fred Olsen também cancelaram itinerários para evitar áreas que podem ser potencialmente afetadas. Os países mais atingidos pelo ebola são Libéria, Guiné e Serra Leoa, porém o Senegal, que tem um caso da doença detectado, faz fronteira com a Guiné.

Equipes de linhas aéreas e agentes de fronteiras estão atentos a passageiros doentes. Em reunião na Casa Branca, autoridades discutiram potenciais opções para vistoria de pessoas que chegarem aos EUA. O presidente americano, Barack Obama, afirmou que o país vai "trabalhar em protocolos para realizar verificações adicionais de passageiros tanto nos países de origem (do surto de ebola) quanto nos EUA". Ele não informou mais detalhes.

Pessoas que deixam as zonas contaminadas são examinadas para verificar se têm febre antes de serem autorizadas a entrarem em aviões, mas o período de incubação do vírus é de 21 dias e os sintomas podem aparecer depois.

Autoridades de saúde americanas defendem que a proibição de viagens iria piorar a situação nos países mais atingidos. O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que essa não é uma opção sendo considerada.

Os EUA não proibiram voos ou impuseram medidas extras de monitoramento durante o surto de síndrome respiratória aguda grave ou a pandemia de gripe suína em 2009. Ambas as doenças se transmitem mais facilmente que o ebola, cujo contágio acontece por meio de contato com fluidos corporais. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ebolaviagens

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.